Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

a herança do vazio

Blogue de pensamentos, acontecimentos, experiências, viagens e coisas minhas.

a herança do vazio

Blogue de pensamentos, acontecimentos, experiências, viagens e coisas minhas.

Janeiro 19, 2020

m.

Oh um dia de quase primavera, e o que nós aproveitamos para fazer?

Passear pelas ruas da cidade, porque depois de uns dias cinzentos temos de respirar o ar citadino, que já tínhamos saudades. 

É  como o recomeçar, depois de um longo tempo sem estar aqui, estando, esta hora e meia, pareceu-me um dia inteiro e ainda queria continuar. 

 

Outubro 29, 2019

m.

Esta não foi a minha primeira visita a esta cidade-museu a céu aberto. Da primeira vez já lá vão uns anitos, fomos a Badajoz (sim, e comprámos caramelos), e como estava um tempo ameno, subimos até Cáceres.

Cáceres com o Centro Histórico, Património Mundial da UNESCO, e como não podia deixar de ser, em Espanha, prima pela conservação arquitectónica e pela limpeza. Uma cidade que apesar da sua parte história que não podem perder, tem a parte moderna que é igualmente digna de uma visita, cada uma com o seu encanto.

Começando e terminando na  Plaza Mayor, como não, paragem para uma caña, confesso que não sei como se escreve, mas sei como sabe, a cerveja fresquinha, ideal para reforçar as energias.

20190922_141638.jpg

 

 

 

Agosto 08, 2019

m.

Bem depois de um sábado desconcertamtemente cansativo, com mil afazeres, chega o domingo nublado e quente, mas com previsão de sol, lá mais para a tarde.

Arrancamos em direcção ao Cabo Carvoeiro, Peniche, e as Berlengas ali tão perto e ao mesmo tempo tão distantes, distantes para mim, que não arrisco um passeio de barco, nem que seja o rápido cacilheiro do Tejo. Enjoo e nem as mezinhas nem os medicamentos me salvam.

Respirar ar puro e ar puro marítimo deve ser das coisas mais belas e relaxantes estar ali, em paz, com a calma das ondas a bater nas rochas, aquele som capaz de acalmar mesmo as almas mais atormentadas, ver os domingueiros em trajes de banho ou passeio, ouvir as gaivotas, ver os animais marítimos, tudo isto em menos de nada, só desfrutando e apreciando a paisagem.

20180805_185643.jpg

20190804_101931.jpg

20190804_104725.jpg

 

Agosto 08, 2019

m.

Parece mentira, mas não, eu morei a cerca de 20-25 minutos desta cidade, Rio Maior,  e ia frequentemente à "santa" feirinha, sempre ouvi falar das Salinas, desde pequena, e passar ali, nem me canso a fazer as contas, e vergonha da minha ignorância, nunca tinha lá estado. O ano passado, naqueles dias de calor terrorífico (sou eu que gosto mais das temperaturas amenas e o calor atrofia-me o sistema), fomos lá, não havia trânsito (claro praias), e fomos recebidos por um espectáculo majestoso, ao longe, no fundo do vale aqueles rectângulos de branco e transparência. Fiquei fascinada e prometi a mim mesma levar lá todas as minhas visitas.

20190804_161741.jpg

20190804_161930.jpg

Este ano e como é um dever também nosso, mostrar maravilhas da nossa cultura a quem não conhece, voltamos lá, e  a sensação é a mesma, começas a vislumbrar as salinas lá no alto, e o sol a brilhar nas águas, e vês deslumbrada aquela brancura salgada,  sentes a salinidade no ar, porque a brisa calma (palavras do senhor que andava a juntar o sal já feito) ajuda muito o processo de salinização. As pessoas gostaram, e eu também porque é bom descobrir, preservar e divulgar o nosso.

20190804_160835.jpg

 

Julho 12, 2019

m.

Um dia de calor qb, um encontro planeado e há muito desejado. E uma descoberta de um lugar com encanto, religiosidade e esquecido e por muitos desconhecido, o Mosteiro de São Torcato, na vila com o mesmo nome e próximo da nossa cidade maior, Guimarães (desculpem as outras. mas eu e esta cidade temos um não sei quê de cumplicidade). Quando me propuseram o passeio e a vista, fui buscar porque na minha ignorância, desconhecia a lenda e a vivência deste Santo, e senti-me tão bem, uma calma, uma sensação de paz, e desconexão com o quotidiano, que foram umas horas que me pareceram semanas.

Antes passamos pelo Campo da Ataca, em que se celebra a homenagem à Batalha de São Mamede, tem lógica  e sentido, a  não ser mesmo na cidade e sim nos arredores. O que me desiludiu, foi o aspecto de quase abandono e a falta de algo mais "chamativo", porque só mesmo quem conhecia me poderia ter levado lá, obrigado I., és a minha guia favorita.

Entre pontes medievais e moinhos de água, passeios,  caminhadas matinais, assim se passou o dia....e aquela pizza ao jantar (restos de almoço) soube a saudade e a um até breve.

Julho 11, 2018

m.

Que fim de semana tão, acho que ainda ando a procura de adjectivos para associar a este passeio e a esta cidade e cidades de Espanha, o único ponto negativo foi não termos ganho o jogo. E os espanhóis também festejarem a nossa derrota, mas os festejos deles foram de pouca dura, nem 24 horas, o karma é lixado e ri melhor quem ri por último, nós.

Saímos de madrugada porque é longe e fomos de autocarro, em excursão organizada, e chegamos na hora certa, depois do pequeno almoço e antes do almoço, a Madrid, e logo com as jóias da coroa (agora estou a lembrar-me de uma fala numa série, adiante), o Palácio Real e a Catedral de Almudena, que vistas espectaculares, aquele passeio por aqueles jardins, do pouco que vimos, foi um cheirinho a quero mais. Aquele Palácio e a Catedral merecem umas visitas mais em detalhe. Ainda conseguimos entrar numa das capelas laterais da Catedral e deu para rezar pela nossa selecção (os Argentinos estavam lá a orar). Adorei as portas em bronze com relevo.

Seguimos em direcção à Puerta del Sol, e claro, tive que "fugir" para ir tirar uma foto ao símbolo máximo de Madrid, O Urso e o Medronheiro. Depois já não tive foi tempo de ir ao Quilómetro 0, fica para uma próxima.

O almoço livre teve de obrigatoriamente incluir bocadillo, senão não era passeio a Madrid.

De tarde um passeio obrigatório ao Passeio del Prado, Atocha e ao Museu Rainha Sofia, assim em passeio e em grupo foi uma experiência muito positiva, entre risos, conversas e pequenos malabarismos, foi uma tarde bem passada, que terminou no Parque del Bueno Retiro, e unas cañas, que souberam pela vida, e a terminar a nossa empada levada aqui da cidade que estava 5*.

A noite foi para o futebol, e para ver as vistas de noite, isto foi uma surpresa que não estava incluído no itinerário, mas esta organização ( http://www.ideiasessenciais.pt/   Passeios Faustino) supera sempre as nossas expectativas. E em Madrid nada melhor que para passear de noite, que os bairros típicos, nós fomos, para o Bairro de la Chuenca, um bairro típico e castiço, onde predominavam os símbolos da semana do Orgulho, celebrada em Madrid, bares com história e muita animação.

No segundo dia, estava expectante para conhecer o interior de um estádio, não a parte bancadas/relvado, mas o núcleo central, e nada melhor que uma tour pelo estádio de Santiago Barnabéu, para com uma visita a sala de troféus, aos balneários, ao relvado, e a comoção de vermos o Nosso Cristiano em grande destaque por todo o lado (pena que já tenha saído), um orgulho.

De tarde era hora  de virmos embora, que ainda nos esperavam uns bons quilómetros, e surpresa, é anunciado uma paragem e passagem numa cidade que fica a caminho e que é Património da Humanidade, Segóvia, aqui esta vossa "blogger" (olha a pretensão da rapariga), pensava erradamente que esta cidade se situava no sul, não, é mesmo aqui perto e linda, umas vistas carregadas de história, ruelas calcorreadas por milhentos e um aqueduto que me deixou sem palavras. A Catedral é qualquer coisa de maravilha e encontrei o António Machado, o escritor com nome português, mas com alma espanhola.

20180701_175004.jpg

 

Aqueduto Romano de Segóvia

20180701_170312.jpg

 

Catedral de Segóvia e Praça

 

Foram dois dias de caminhadas que não cansaram, de vistas de obras desconhecidas de companheirismo e de deslumbramento, porque por mais fotos que vejas, nada nunca supera o original.

Abril 30, 2018

m.

E o dia escolhido para a caminhada foi o dia da Liberdade, o dia 25 de Abril. Tempo ameno, de Primavera? Não, calor de Verão, mas quem caminha por gosto, isso nem foi uma preocupação por ai além. 

Com algumas paragens por imprevistos ( o que é uma excursão sem imprevistos e atrasos, não era  a mesma coisa), sempre explicados pelo grupo organizador (Ideias Essenciais Eventos e Passeios Turísticos Faustino Teixeira são cinco estrelas). Com a primeira paragem em Vila Real, café, pequeno almoço, ou o quiséssemos, porque já levávamos uma hora de autocarro, soube bem começar este pré aquecimento.

Depois e eu sem fazer ideia onde se situavam os Passadiços nem pouco mais ou menos, demoramos mais umas duas horas de autoestrada e estradas nacionais, que pecaram pela triste paisagem enegrecida e triste, ainda no autocarro e como tínhamos de ir nas localidades a passo de parados, dizia adeus às pessoas que em dia feriado aproveitavam para tratar das suas culturas agrícolas (vulgo semear / cavar batatas), foi divertido, porque elas paravam para descansar e algumas acenavam, isto é da herança, desde sempre me lembro do meu pai cumprimentar todas as pessoas por quem passava na aldeia vizinha, mas ele conhecia as pessoas, eu não, mas o meu avô materno fazia o mesmo, e ele tal como a neta não conhecia  as pessoas), depois de muitas curvas, descidas, subidas, e mais disso, parecia que nunca mais chegávamos, mas eis-nos à beira do Rio Paiva, no local de partida/chegadas, para embarcarmos, ou melhor caminharmos, nestes tão famosos passadiços.

A organização, que já tinha feito um breve briefing (ai que me lembrei de quando trabalhei naquela empresa, onde todos os dias tínhamos um briefing, nunca mais tinha ouvido a palavra), e explicado, combinado, e avisado das regras e dos cuidados a ter em respeito pela Natureza e pelos outros Caminhantes (isso devia ser Civismo e senso comum), mas é realmente sempre melhor avisar e relembrar, porque mesmo assim, ainda me insurgi por ver uma pessoa adulta, a dar um rebuçado, ou o que fosse  a uma criança e a deitarem os papéis fora (e eram do nosso autocarro). 

Começamos a caminhada no sentido Espiunca - Areinho  e terminávamos o percurso com cerca de 300 escadas para subir, e umas quantas (500? para descer), com isso em mente, propus-me poupar na água, só mesmo em SOS, e na alimentação, antes de começarmos uma barrita, a hora do pequeno almoço já ia longe.

20180425_114425.jpg

No início começamos um grande grupo, mas como era para caminhar ao nosso ritmo e apreciando as maravilhas da natureza, impossível não parar e ouvir o relaxante som dos rápidos e da água, que ao longo de todo o percurso nos acompanhou, seja no rio (lado esquerdo), ou caindo por entre as pedras e encostas do nosso lado direito. 

20180425_115032.jpg

O verde da paisagem é ia dizer bonito, mas é pouco, é de um deslumbramento que nos deixa como que enfeitiçados, e a queremos (eu pelo menos) explorar essa zona de vegetação tão diferente, e ao mesmo tempo apelativa. E fomos em grupos mais ou menos pequenos consoante as companhias e os passos ao nosso ritmo, parando aqui e ali para apreciar convenientemente a paisagem e descansar um pouquinho, porque o calor era muito.

20180425_130536.jpg 

A meio do percurso e previamente definido paragem para reabastecer, tinha de ser, e soube mesmo bem. Aqui no meio do percurso encontram-se dois ícones dos passadiços a Cascata e a ponte suspensa (medo), no meio da natureza a pureza das 

águas refrescantes e relaxantes, apetecia ficar mais um bocadinho e tomar um duche ou um banho no rio, mas nada que pudesse fazer neste dia, mas quem sabe da próxima vez, com mais calma e tempo.... 

Continuando que isto de passar a ponte suspensa é de meter medo, não o fiz, sei que começava a tremer mas deve ser uma experiência fixe, para os radicais, para mim passo, obrigado, mas gostei de ver a fila interminável para a passar duas vezes. 

Com  a força do calor, começamos a sofrer um bocadinho, e ao longe os passadiços tornaram-se assustadores, mas como tinha de ser, coragem e força, para iniciarmos a subida, mas na curva do rio, vemos a  Cascata das Aguieiras e incrível a Natureza  a água a cair das serras e a força que nos transmite e permite encarar a subida com algum entusiasmo (bom não era hipótese desistir). 

20180425_134845.jpg

 Esta subida interminável, custou-me um bocadinho, mas depois a preocupação e a entreajuda a quem estava pior e lhes foi mais difícil, não parei  a pensar no que tinha pela frente, era sempre mais um lanço, que estamos no bom caminho, entre nós lá fomos lanço a lanço, e com a paisagem deslumbrante chegamos ao topo, vitoriosas de um longo caminho percorrido. 

20180425_140001.jpg

 

Depois da encosta de subida, a descida, e mais uns quantos passos para terminar e encontrar-nos todos no ponto de encontro Areinho pausa merecida e desejada para refrescar, café e água, para repor energias, que ainda nos faltava mais um bocadinho até ao autocarro.

Depois veio o repor das energias, que a organização nos proporcionou, excelente serviço, aquela paparoca sobe que nem um manjar e o local foi inteligente Monte e Capela da Senhora da Mó; Arouca. 

20180425_163143.jpg

Ainda tivemos tempo para uma breve visita a Arouca, que tem uns doces conventuais divinais, e gente super simpática, falo pelo senhor da pastelaria, que nos ofereceu um dos doces típicos e nos explicou cada um deles.

Uma excelente caminhada em boa companhia com uma organização excelente que estavam sempre prontos para esclarecer e ajudar http://www.ideiasessenciais.pt/

 

 

 

 

 

Fevereiro 03, 2018

m.

Viver numa cidade "pequena" é tão relaxante, conseguir estar minutos sem ouvir o barulho infernal do trânsito, não ter de acordar horas antes para ir trabalhar e enfrentar o stress matinal das filas, poder ir para o trabalho a pé, ficar perto de tudo ou a menos de uns minutos.  Encontrar sempre estacionamento ao pé da porta, ou na rua de trás, estar a dois passos de tudo, Sair de casa e ir beber o café na porta ao lado.

Estar em comunhão com a natureza, campo, serras, montanhas, verde, e se quisermos praias não ficam assim tão distantes, tal como a cidade "grande" mais próxima. 

E o calor humano, ser recebidos por alguém com tanto entusiasmo, seja onde for, não tem preço. 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub