Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

a herança do vazio

a herança do vazio

28
Fev18

Andar a pé e os seus perigos!

m.

...hoje de manhã a paisagem estava de sonho, apetecia ir andar em cima da fofura da neve, sai mais cedo de casa e fui tranquilamente, com algumas cautelas, que isto de andar em cima da neve, tem que se lhe diga e eu não tinha quase experiência nenhuma, aquela vez na Serra da Estrela não conta, e então sentindo-me renovada desta agradável humidade sentia-me como os passarinhos nas nuvens (não sei se eles andam por lá, mas aqui já se vão ouvindo). 

Em conversas, perguntaram-me

"- Vieste de carro?

- Não, eu vim a pé, porque é perto e eu conduzir na neve não me sinto á vontade?"

Aquilo passou, passado uns tempos, vêm-me dizer:

- Morreu um senhor em Espanha, por andar na neve e ter caido."

Amanhã vou de carro!!!!

 

27
Fev18

Madeline Hunter (Série As Flores Mais Raras)

m.

Eu adoro ler, e descobri que ás vezes ler "em série" é muito fixe, ler todos os livros seguidos de uma assentada é como ver todos os episódios da nossa série favorita num fim de semana.

Aconteceu-me isto com a série As Flores Mais Raras desta autora, conhecer aquelas mulheres extraordinárias, que lutam por justiça e pela verdade, sem nunca baixarem os braços e em meios marcadamente masculinos fazem prevalecer a sua opinião e a sua verdade.

Os títulos dos livros não podem ser mais sugestivos, Deslumbrante; Provocadora; Pecadora; Perigosa, e as histórias tendo como inicio uma casa dirigida por uma das mulheres, onde ninguém fala sobre o seu passado e o motivo de precisar da companhia de outras mulheres e de se refugiar naquele local, As flores Preciosas é  o negócio iniciado, por alguma outra mulher no passado, e serve para todas as mulheres terem um meio de subsistência e não estarem dependentes de nada nem ninguém.

Mas como em todos os romances, aparece o "príncipe encantado", ou o par para cada uma delas. E cada livro tem um para romântico, ao longo de todos os quatro livros aparecem com maior ou menor destaque as personagens secundárias.

Foi uma série sempre em crescente, cada livro melhor do que o anterior, no terceiro e apesar de ser um Romance Histórico há a referência (errada) a um contacto telefónico, e eu que estava adorar a história fiquei um tanto desiludida, mas foi só com isso, perdeu um bocadinho da sua magia. Essa magia foi conseguida no último livro Perigosa.

A escrita da autora era-me já conhecida, e não me desiludiu, bem pelo contrário, em todos os romances há cenas muito boas, de amor, humor, aventura, perigo, amizade, companheirismo e um valor que cada ver se perde mais na Humanidade, entre-ajuda a quem dela necessita, sem segundas intenções, excepto com o nosso Duque, em que todas as acções são estudadas e calculadas de modo a obter um fim, mas até esse fim é louvável, e sempre em nome de uma amizade ou simpatia.

27
Fev18

Mas alguém lê os Editais das Juntas de Freguesias ????

m.

Ontem após o dia cansativo, vou a uma mercearia (comércio local, produtos 100% portugueses) comprar frutas e legumes, porque até são mais baratos que num super perto de si, e para atalhar caminho para casa, atravesso pelo espaço público da Junta de Freguesia, e reparo, não pela primeira vez, naquela vitrine cheia de EDITAIS, em letras minúsculas e sem luz, que nestas alturas de anoitecer é mesmo fixe, se quisermos parar para ler, temos de sacar da lanterna e colocar os óculos de aumento, que isto de letras pequenas devem ser todas lidas, só de olhar para a fila interminável de papel, perco logo a vontade de ler seja o que for.

Deviam também nas Juntas fazer cartazes mais apelativos para os temas que realmente interessam aos cidadãos, e não só naquelas alturas que lhes interessam a eles.

 

26
Fev18

Segundas...

m.

 

 ....deviam mesmo rectificar este dia, é tão chato, ter de acordar depois de um fim de semana de relaxe, saber que temos de voltar à nossa rotina, mas claro que mesmo contrariados nos levantamos e enfrentamos o frio matinal.....

 

Boa semana

 

24
Fev18

Leituras e telefones

m.

Ando a ler uma série que se chama As flores Mais Raras da autora Madeline Hunter  e é uma leitura que entra no género Romance Histórico, é uma autora que sigo mais ou menos regularmente não sendo a minha favorita no género é muito boa, e entre tantos policiais amarguras da vida, decidi voltar ao passado, e são sempre momentos de lazer ao ler esta autora, mas neste terceiro livro deparo-me com:

 

" - Concluí que terias vindo para a cidade...., e telefonei a M.....para lhe perguntar por ti. " Anthony para Celia.

Pecadora; Madeline Hunter

Vamos a ver  numa altura em que só há carroças e cavalos, carruagens e as pessoas demoram dias para chegar de uma cidade a outra, como é  que este personagem já telefona???? Será um viajante do futuro?????

E pergunto eu que tradução é esta? Ou será que o texto original também temos um Anthony futurista a telefonar....

Confesso que durante a restante leitura o telefone não me saiu do pensamento e o que estava a disfrutar da mesma, perdeu parte do seu encanto e magia. Porque há erros que são bastante graves senhores editores revisores, ou o que seja. 

 

23
Fev18

Ainda as sombras....

m.

Na semana passada, perguntaram-me:

Estás cá para a semana ? Queres ir ao cinema?

Eu sem saber qual o objectivo, respondo sim a tudo, só me ocorreu perguntar qual o filme no dia seguinte, (eu sim sou um filme de despiste); As Sombras, dizendo isto ainda poderia pensar que seria alguma coisa nova, tendo já eu lido um livro da J.R.Ward, com esse titulo (e não fosse mesmo haver um filme dos irmãos sombras e fosse novidade para mim, que eu nestas coisas do cinema sou um bocadinho dá na tv, mais tarde) mas com tanta informação e publicidade, sei logo que são as do Senhor Grey. Claro.

Contagiada pelo entusiasmo alheio, vou para um canal, que não interessa o nome, rever os filmes das cinquenta sombras, porque tendo adormecido no dia que deu na tv o primeiro, e entre não ter ido ver o segundo filme, é melhor actualizar-me para não fazer má figura logo á noite.

 

 

 

 

 

21
Fev18

Hoje de manhã

m.

Vinha eu a caminho do trabalho e encontro uma senhora professora, já com muitos anos de serviço, com cara de frete mais um dia...., e dei por mim a pensar engraçado na infância sempre quis ser professora, professora porque adorava ( e adoro as minhas crianças) crianças, mas realmente eu nunca seria uma boa professora.

Ainda bem que tinha um plano B, ser enfermeira, mas nesse ano, as médias subiram a pique e se com a minha média tinha entrado no ano anterior, nesse ano impossível, mas enfermagem e tendo conhecimento do que fazem (não me importava), mas aquele sofrimento vê-lo todos os dias é tão desgastante, querer fazer tudo pelos doentes e não sermos capazes, não me conseguir distanciar do sofrimento de cada um era um dos maiores contras. Aplicando o plano C, no curso que me era totalmente desconhecido, mas que associando as palavras tem tudo a ver comigo. Faço o que gosto, com gosto e prazer, saio do trabalho com a sensação e a certeza de missão cumprida, todos os dias são rotinas e todas as rotinas são diferentes.

 

 

20
Fev18

Caminhadas

m.

E depois de um Janeiro mais ou menos certo, tiramos o frio, a geada, o vento cortante, a chuva, que houve dias que nem o nariz apetecia meter fora da porta e nesta terceira semana de Fevereiro,  em vez de  4 km, aumentamos a fasquia e dobramos o objectivo, 8 km, ainda em passo de caminhante/iniciante com os kilinhos do Inverno profundo, mas a ritmo de aumentar todos os dias só mais um bocadinho;

O Objectivo - Ter Mais Saúde; não é o que toda a gente quer?

Sair do emprego e relaxar; que estar fechado em quatro paredes, chegar a casa e ficar fechado em mais quatro paredes, são paredes a mais. E depois de uma caminhada, cansada, o animo aumenta e estou quase pronta para mais horas de trabalho (no dia seguinte).

Apreciar a natureza e os belos recantos desta cidade; O que é belo nunca cansa.

Cumprimentar os novos caminhantes, e esta parte é tão engraçada, lembro-me nos primórdios inícios do ano, em que éramos nós, e apenas um casal, encolhidos dentro de kispos e material para protecção do frio (nós também, claro, que isto do frio é coisa séria), e agora um mês depois a quantidade de pessoas aumentou exponencialmente, e encontrar pessoas conhecidas, mas nada de parar para cumprimentar, "isso é para fraquinhos" (citando outras pessoas, mais ou menos anónimas), adeuzinho que a malta tem pressa de continuar e tu só agora começastes. 

 

19
Fev18

Mons Kallentoft

m.

Série Malin Fors

Há anos encantei-me com a escrita e as histórias deste autor, uma agente mulher como personagem principal, Malin, que sente o apelo das vítimas, a sua angústia e a sua dor. Uma personagem diferente, com uma família que ao longo dos livros se desfaz, problemas  alcoólicos e de abusos, uma pessoa complicada mas que não hesita em lutar pela justiça das vítimas e de certa forma as homenageará.

O temas dos diversos livros, cinco editados até agora em Portugal, são diferentes e tem como referência as diferentes estações do ano, mostrando sempre uma narrativa crua e cruel como só os humanos conseguem ser, mas há uma personagem que se destaca em todos os livros, Maria, uma doente internada num hospital psiquiátrico, e é um caso que persegue e obsessiona Malin. E é uma nova estação, a Quinta Estação, que concluímos um ciclo de estações, de nova vida para Malin.

 

 

Pág. 1/3