Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

a herança do vazio

a herança do vazio

31
Jan18

Charlotte Brontë

m.

Charlotte Brontë; Jane Eyre

 

 O que posso dizer deste livro, só coisas boas, muito boas, porque é um livro daqueles que marcam e ficam impregnados em nós. Tinha visto o filme há alguns meses atrás, e pensei tenho ali o livro, agora já sei a história vou ler outras coisas, mas pelo desafio do Clube dos Clássicos Vivos, https://www.goodreads.com/topic/show/19130819-jane-eyre-charlotte-bronte , inscrevi-me e comecei a ler este livro, não demorei nadinha a ler, devorei este livro em menos de duas semanas intercalado com outras leituras.

 

Que poder de escrita têm estas irmãs, vou querer ler todos os livros escritos por esta família, já li O Professor e Jane Eyre (Charlotte Bronte), e o Monte dos Vendavais (Emily Bronte), faltam-me todos os outros.

 

Jane é uma criança de dez anos, que vive com a família do tio falecido, é tratada pior que uma criada até pelas próprias, só uma é mais doce e carinhosa com ela, mas só quando os outros não estão a ver, sofre horrores nas mãos da tia, principalmente do primo odioso que aproveita sempre para a maltratar, caluniar e aterrorizar, Jane é uma menina forte, justa e faz tudo para apurar a verdade.  

 

 " Com o livro de Bewick ao colo eu era feliz, ou pelo menos, era feliz á minha maneira. Não havia nada a temer para além de uma possível interrupção, que aconteceu cedo demais."

 

" - Amo?Meu Amo? Eu não sou criada!

_ Não; é menos do que criada, porque não compensa o que lhe dão com o seu trabalho. Agora sente-se ai e pense bem na sua maldade."

Abigail (criada ) para Jane depois de ter sido agredida e insultada pelo primo

 

" É uma sonsa, nunca vi garota da sua idade saber dissimular tanto."

Abigail para Bessie, sobre Jane

 

"-Adoeceu por ter chorado tanto no quarto vermelho. Mas vai melhorar depressa. "

Bessie para Jane depois desta ter sido castigada no quarto escuro onde faleceu o tio

 

A sua "sorte" muda quando é enviada para um orfanato ai encontra a verdadeira amizade e companheirismo, e prova que não é mentirosa, intrujona e outras calúnias que a tia tinha contado ao reverendo.

 

"Por mim, não conservo a recordação das maldades que me fazem! Não serias mais feliz se conseguisses esquecer a severidade com que foste tratada e os agitados sentimentos que esta te despertou?"

Helen para Jane

 

Depois de alguns anos como aluna e professora decide tentar a sua sorte como preceptora e publica um anúncio no jornal, a resposta surpreendente e rapidamente levam-na a abandonar o conforto de uma vida., e vai para  Thornfield Hall, mas claro que nesta viagem atribulada tem um encontro com um cavaleiro misterioso, e embora eles não saibam são Jane e Mr. Rochester, claro que o reencontro é muito engraçado e eles ficam um pouco embaraçados, com o tempo a convivência entre os dois torna-se mais do que patrão/empregada,  convivência entre os dois é linda e apaixonante, e aos poucos vemos o amor despertar entre eles mas  um terrível segredo ensombra a vida de Mr. Rochester e as ameaças á vida dos ocupantes de Thornfield Hall começam a surgir.Os diálogos entre os dois personagens são construitivos e muito entretidos, verdadeiras lições de vida. 

 

"A sua beleza está nos olhos de quem o vê. Uns olhos apaixonados considerá-lo-iam belo ou, para melhor dizer, não haveria beleza que suplantasse a sua fealdade."

Jane sobre Mr. Rochester

 

Mr. Rochester é um homem mais velho que Jane vivido e viajado, conquista-a de forma rápida e implacável, mas comete um erro grave, a mentira e a humilhação de Jane, um casamento a uma jovem enamorada , que sabe na própria cerimónia que o seu futuro marido é já um homem casado e a esposa (louca e maquiavélica) está viva e a viver na mesma casa que eles.

Nem imagino a humilhação de Jane,o que sabemos que sentiu são pelas suas próprias palavras, ferida, triste e desiludida, Jane volta a estar só, infeliz, desamparada e pobre. Deambula por paragens desconhecidas e é recolhida em casa de uns irmãos, que caridosamente a ajudam, mas Jane ainda não conseguiu esquecer, o seu amor, e numa "alucinação" ou sextos sentido, premonição, ouve alguém chamá-la com muita dor e desespero, ela nem hesita e sabe que quem pede ajuda é o seu amor, quando volta vê tudo em cinzas e descobre um homem desamparado e derrotado, mas o amor é forte e Jane promete ser a vida de Mr. Rochester.

 

"Enquanto eu viver, não ficará abandonado, meu senhor muito querido."

Jane para Mr. Rochester

 

"- Estou muito feio, não é verdade?

- Feio sempre foi, não o ignora.

- Vejo que continua a ser mazinha."

Mr. Rochester e Jane

 

" - Cá está a minha cotovia! Não se foi embora? Uma das suas irmãs esteve a cantar, há pouco, no arvoredo, mas o seu canto não teve para mim a doçura da sua voz. Toda a melodia da terra se concentrou na voz da minha Jane, todo o calor do sol na sua presença."

Mr. Rochester a declarar-se a Jane.

 

Jane uma mulher forte, determinada, lutadora, vencedora, justa e justiceira, personagem a frente do seu tempo, numa época em que as mulher pouco influíam na sociedade, esta Jane impôs a sua presença de forma majestosa e carinhosa, uma personagem da qual fiquei "Amiga". 

 

Um livro memorável, narrado na primeira pessoa, que me deixa saudades.

Um Hino ao Amor.

 

 

 

 

31
Jan18

Vantagens das compras online, só!!!

m.

Quem mora longe dos grandes centros e apenas tem tempo ao fim de semana, ou nas férias, por vezes tem dificuldade em aproveitar os saldos, mas isso fica resolvido com as grandes lojas e as pequenas também, com os saldos online, ou ainda melhor, os Outlets à distância de um clic.

Claro que tem as suas desvantagens (mas não pensemos nisso, há que ser positivo), mas como peso de balança as vantagens são maiores, porque fica mais barato, pagas como queres, recebes quando e onde te dá mais jeito, podes sempre devolver se o produto não te agradar, e o melhor ainda evitas algumas desagradáveis lojistas com ares superiores (esta é para aquela que disse que as sandálias não me serviam só de olhar para mim, nem sabia o meu número, a parva).

Evitas filas, roupas amontoadas, gente com toneladas de roupa para experimentar, que atascam os provadores e demoram tempos infinitos, saem, pedem opiniões, voltam, e tornam a demorar.....enfim nada como experimentar as coisas no conforto do lar, com calma, sem stress.

Deslocações  a cidades cheias de gente, a shoppingsa abarrotar de domingueiros, estacionamentos atulhados de carrinhos, condutores de fim de semana que só enervam e estorvam....

 

Okay acho que o problema são as pessoas e as confusões.

 

Viva o Shopping Online.

30
Jan18

Como tornar crianças úteis

m.

Não falo de escravidão nem exploração infantil, apenas somente de querer fazer as tarefas domésticas e ter de estar atenta ao que fazem dois petizes, pois a solução será tv com bonecos, foi logo o que me lembrei, mas pensando melhor, isso da tv e daqueles bonecos esganiçados já foi interessante, agora o melhor é colocá-los a ajudar-me, e assim fizemos, taça, bolachas, chocolate e ovos, com mãos lavadas lá para dentro e saiu uma boa dose de disposição, muitas gargalhadas, pequenos conflitos sobre quem parte melhor o quê, mexer e remexer e eis a nossa sobremesa deliciosa Salame a quatro mãos.

Educativo, divertido e delicioso.

30
Jan18

Tanto Orgulho

m.

É só o meu livro favorito, tenho-o em versão poupadinha, uma edição da Note It, por um preço menor de 5€, e já o li duas vezes, depois e tendo visto várias versões do filme, optei pela que mais me emociona com Keira Knightley (Elizabeth) e Matthew Macfadye (Mr. Darcy), dirigidos por Joe Wright, não sei quantas vezes o vi, mas foram seguramente mais de duas, e no domingo num programa de rádio, em viagem, recebo mais uma boa notícia, e um presente de aniversário inesperado, a data da primeira edição foi dia 28 de Janeiro de 1813, se já adorava a história e idolatrava a autora, agora passou directamente para o Livro Favorito da Minha Vida, e a autora para a Melhor Autora  Editada de Sempre.

 

 

PrideAndPrejudiceTitlePage.jpg

 

Aqui

30
Jan18

Quando vais em viagem.....

m.

A mim acontece-me bastante, ir em viagem e desligar, olhar para o lado algum tempo depois e pensar, já estou aqui, e como cheguei, não tenho ideia do caminho percorrido, porque andei perdida em pensamentos, e desses  surgem-me mil e uma ideias de temas para escrever, mas como vou em condução, não posso nem parar nem apontar o que me passa em velocidade pelo pensamento.

Assim estes pensamentos perdidos, não são recuperados, depois desligas dos pensamentos e olhas para o rádio, a programação é uma chatice, ás vezes ouço a mesma música várias vezes, e é cansativo, acreditem, muito cansativo, o resultado é colocar o teu CD favorito do momento e desfrutar da música e da viagem, sem pensamentos, mas com a melhor música do mundo, ai, sim, ouvir várias vezes a mesma faixa, não cansa, só alivia o stress e os quilómetros.

 

22
Jan18

Prioridade - Cenouras

m.

Um dia destes fui às compras, nada de novo, mas estava não com pressa, mas ansiosa de chegar a casa, como só precisava de cenouras, entrei na loja, fui directa como uma flecha ás cenouras, e voltei logo para as caixas para fazer o pagamento, há minha frente alguns clientes (2), com os carrinhos cheios, o primeiro estavam já a ser passadas as compras, o segundo, apenas com uma mão a colocar um  a um os itens do seu carrinho, eu como estava tipo eléctrica, e não tendo mais de 65 anos, ele sim (seguramente), pedi não se importa é só isto eu sei que o senhor tem prioridade, mas se não se importar.....ele olhou para mim, depois para as minhas cenouras, e disse:

" - Vá passe lá, mas seja rápida. "

Depois continuou ainda a tirar as coisas do carro, eu paguei, agradeci, e ele disse para a senhora (esposa presumo), porque nestas coisas pensamos sempre quem é o acompanhante e qual o seu grau de parentesco.  

" - Eu deixei-a passar. "

Não fosse eu estar a agradecer por algo estranho.

22
Jan18

" ITES "

m.

Passar um fim de semana de  "molho " é o que está a dar, senão vejamos, gripe, rinite/sinusite, conjuntivite, tendinite, ena tantos ites, que já me estava a passar, por isso quando o despertador tocou, livrei-me de todas as "ites", e vim trabalhar, porque eu não sou nada invejosa e isto há que partilhar com o próximo.

 

Pág. 1/3