Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

a herança do vazio

a herança do vazio

26
Out17

Feira dos Santos

m.

Ou como a confusão saiu a rua, pois é aproximam-se as festividades da Feira dos Santos aqui na cidade. e já começamos a ficar enjoados com os cheira das farturas, aquele óleo que se respirada das roulottes dos fritos, farturas e churros, adoro este ambiente, e as animações são contagiantes mesmo para quem não anda nelas, mas só de ver a alegria da criançada é um gosto, porque assim como assim Festa é Festa.

Os feirantes propriamente ditos ainda não chegaram, mas creio que no fim de semana aqui os teremos e podemos então desfrutar das barracas atulhadas de matérias primas mais ou menos essenciais.

 

Ai que agora deu-me a fome, toca a ir comprar uma fartura para o lanche.

26
Out17

Sábado em Guimarães

m.

Passear por cidades que eu gosto nunca é demais para mim, e sempre descubro coisas novas e diferentes.

Um encontro em Guimarães é sempre especial, pela companhia, e pela perspectiva de voltar a visitar esta cidade que eu ADORO.

Desta vez e contrariamente ás anteriores, fui estacionar num local, que sabia onde era, mas não sabia como lá chegar, conclusão, falhei o cruzamento de entrada, mas como tenho um sentido de orientação, "ni" a pesar para o "si", percebi que de alguma forma e perante alguma manobra tinha mesmo de voltar para trás, senão ia ter nem sei eu onde, claro que quando voltei para trás, a minha velocidade passou para "velocidade de procura de indicações", mas não havia, e se as havia eu não as vi. Assim que voltei no cruzamento, e depois no outro, via que ia no caminho certo, e eis-me perante mais um engano, voltei a falhar a entrada do estacionamento, perante tanto engano logo pela manhã (e ainda nem eram 10 horas), imaginei que o resto do dia is ser assim, meio equivocado. Errado!!!

DSC07942.JPG

Paço dos Duques; Guimarães.

 

O objectivo deste dia era variado e tinha de aproveitar o tempo ao máximo, foi um bónus apesar dos enganos, estar á hora de abertura do paço dos Duques, para ver a Exposição "Leonardo Da Vinci, O Inventor", e conseguir ter a possibilidade de ver a exposição calmamente e sem burburinho, poder ler todos os painéis e ver as réplicas das suas obras, no final senti-me feliz e ainda mais admirada por um Criador, que com a sua visão futurista e inconformada nos antecipou o futuro de forma tão espectacular.

DSC07960.JPG

Exposição Leonardo Da Vinci, O Inventor; Paço dos Duques; Guimarães.

Depois deste "banho cultural", e ainda sendo cedo, parti á procura de alguém e percorri outras ruas menos turísticas, e depois de todos os elementos presentes, a visita ao Palácio Vila Flor, deixou-me com vontade de assistir a algum concerto, muito especial, vamos sonhando.......

O almoço foi um acontecimento, num local repleto de referências á leitura e nós que adoramos ler, adorei o espaço, os pequenos mimos, os gestos de simpatia, tudo regado com um delicioso almoço.

A sobremesa, veio de fora

DSC08117.JPG

Pastéis de Nata, Natas, do Norte ao Centro, quais as mais deliciosas.

 A tarde passou a correr entre Castelo, Monumentos, Igrejas, Estátuas, explicações apressadas que o tempo, quando estamos a passear voa nem sei por onde, e quando damos por ela é um até breve, porque esta é a parte mais difícil, o adeus.

DSC07947.JPG

Estátua de D. Afonso Henriques; Guimarães 

Aproveitando o resto do dia, ainda aproveitamos para visitar três santuários, São Bento das Peras, com os seus miradores dos quais podemos apreciar as vistas. Santuário da Senhora da Lapinha, respira-se tranquilidade. E por fim o Santuário da Penha. Um final de passeio espiritual que nos proporcionou alguns momentos de recolhimento, reflexão e oração.

 

 

 

24
Out17

Galicia Encantadora e Valença do Minho

m.

Neste fim de semana fui numa excursão, ou passeio turístico?. Não sei o termo certo, mas fui eu e mais 50  num confortável autocarro e não é que adorei, apesar de ir cheio de avós e alguns netos (nós), o convívio e a excelente organização aqui , fizeram o resto.

Saímos em direcção a Ourense, num passeio pelas termas ao ar livre e pelo centro da cidade, conhecia um bocadinho, e o tempo não estava propício a grandes passeios, mas deu para tomar o pequeno almoço e passar pelas ruas principais. De manhã cedinho com um tempo de chuvinha o que

DSC08215.JPG

Termas; Ourense; Espanha

nós queremos é um café-solo, com um croissant fresquinho com um queijinho delicioso. Depois do passeio parou de chover e saímos em direcção a Salvaterra do Miño com sol e calor.  Nestas paisagens e ali como cá o verde é substituído pelo negro dos fogos, e é tão desolador ver as paisagens verdejantes negras e mortas.

Chegados ao local, degustar um excelente almoço no Restaurante Casa Lino, era tudo o que precisávamos,  e o mesmo excedeu as expectativas, quer em termos de comida, quer de companhia e animação, porque a tarde prometia cansar.

DSC08233.JPGMega-Cacete; Salvaterra do Miño; Espanha

 

Depois de um almoço bem temperado e regado, claro que necessitávamos de exercitar os músculos e nada melhor para o fazer que no nosso País tão lindo e desconhecido, passando Monção, começamos a avistar Valença, e para mim que não conhecia tive um prazer redobrado e uma boa surpresa ao visitar e conhecer o interior desta cidade fronteiriça.

DSC08278.JPGParede de Água; Valença do Minho; Portugal

 Em direcção a Pontevedra deu para descansar os olhos, vulgo dormir, e quando atravessamos uma das suas inúmeras pontes deparei-me com uma cidade moderna e conservadora do seu património histórico, ver as Ruínas de San Domingos, foi um retroceder no tempo, respirar história.

DSC08313.JPGRuínas De San Domingos; Pontevedra; Espanha

 

Em direcção a Cambados e ao Festival do Marisco, apreciando a paisagem natural das Rías Baixas, tão faladas e tão desconhecidas.

E chegados a Cambados, o que é que as raparigas foram fazer, além de passear, ou melhor antes e em vez de passear, visitar uma livraria, pois claro não nos fosse faltar material de leitura depois do bailarico. A sério somos mesmo leitoras apaixonadas até pelos livros em língua de Cervantes.

O jantar, foi TOP, a queimada gallega, assustadora o expiar das brujas, claro que o Padre Fontes tem outro encanto no desconjuro, mas foi assustadoramente divertida esta queimada.

De manhã um passeio descobrindo toda a beleza desta localidade, muitos monumentos repletos de histórias místicas,  uma baía de sonho, um poeta perdido num jardim (Ramon Cabanellas), um café com sabor a laranja pura. Unas vecinas que passando por nós nos dão os Bons Dias, um detalhe um miminho que nos agradou a todos.

DSC08414.JPGIgreja de San Benito; Cambados; Espanha

 

Um almoço reforçado, que soube mesmo bem, uma sobremesa que refrescou, um café que ficou por tomar.

E quando chegados a Santiago de Compostela, o mesmo Espírito Peregrino e de Santidade impregna o espírito, e só peço uns minutos de tranquilidade, um local que nos transmite e nos dá o alento que necessitamos e está aqui tão perto. Sempre dentro de nós e connosco.

DSC08433.JPGO Final do Caminho; Santiago de Compostela; Espanha

 

Um passeio super agradável, com uma organização excelente, e poucos ou nenhuns defeitos a apontar.

Para repetir.

 

 

 

24
Out17

O poder do elogio

m.

E foi assim que depois de uma visita demorada a um outro local de trabalho, saio, airosa e primorosa  e num qualquer corredor sou elogiada, por estar mais magra e com um ar mais feliz, sim, mais magra, o quanto a estar feliz, bem graças a Deus, estou de bem com a vida, sem problemas graves comigo e com os meus,  queixar-me ou estar infeliz porquê?....há pessoas com muitos mais problemas e que conseguem estar felizes, porque é que eu me vou queixar ou lamuriar, sem motivos.

 

BE HAPPY

20
Out17

Vazio

m.

Longe de imaginar que a minha tristeza da semana anterior culminava num fim de semana de horror, tragédia e sentimentos de revolta e impotência.

Horror perante a impotência das populaçãoes, dos nossos heróis, que perante um cenário apocalíptico, pouco podiam fazer, porque a incompetência de quem nos dirige nos transporta mais uma vez para uma tragédia que é sempre maior que a anterior.

Revolta por ver o nosso interior já tão devastado, ignorado, despovoado, pela negligência dos governates, ser uma vez mais ferido de morte.

Impotência pelo pouco que posso fazer para ajudar, sei que é insuficiênte e é apenas uma "gota no oceano" de dor e tristeza.

Não sendo moradora na zona antingida, passei por ela na segunda, quando ainda havia fumo espesso, e incêndios, e não consegui evitar as lágrimas, porque é tão triste, tão triste... e depois mais triste ver na tv, não as reportagens sobre os incêndios, mas ver as pseudo-explicações de gentinha arrogante.

Sei que um fim de semana destes preciso de voltar a passar pelo nosso Centro, e estou a preparar-me mentalmente para olhar a paisagem verdejante que eu tanto gostava de desfrutar (quando era possível claro, não descurando a segurança rodoviária, claro), estará preta, de luto, carregando-o ainda durante muitos anos.