Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

a herança do vazio

Blogue de pensamentos, acontecimentos e experiências.

a herança do vazio

Blogue de pensamentos, acontecimentos e experiências.

30
Ago17

A propósito de um livro que ando a ler

m.

A Dieta Anticancro

 

Este livro resume de uma forma excelente, e acessível a todos a relação alimentação e o cancro. Sobre os alimentos que nos ajudam, os nocivos, explicando de forma artística e apelativa os termos médicos menos conhecidos.

Lembro-me de há uns vinte anos atrás, a primeira vez que este "bicho" entrou lá em casa, que a alimentação versus cancro, nem sequer era falada ou contemplada, a pessoa comida basicamente o que lhe apetecia, que com a agressividade da quimioterapia eram coisas que quase pareciam de grávidas desejosas. Curiosamente os alimentos que apeteciam eram azeitonas e sardinhas em lata, felizmente nada de muito doce, mas infelizmente salgado. Com os conhecimentos de agora, acho curioso, estes apetites.

Felizmente nos dias de hoje a doença oncológica é cada vez mais abordada como uma doença multidisciplinar e contempla todos os aspectos.

 

30
Ago17

Férias em Agosto versus Trabalhar em Agosto

m.

Agosto é um mês de férias para a maioria, eu pessoalmente, não gosto de ir de férias em Agosto, quer dizer andamos um ano inteiro numa correria, em stress com trânsito, com multidões nos transportes, e depois quando estamos de férias, encontramos-nos todos nos mesmos locais??? Qual é o sentido? E alguém consegue relaxar? Descansar?

Pois eu não, a minha experiência é sempre mais stress, mais corropio, lugares apinhados de gente, porque este ano ainda tentei ir a uma praia famosa em pleno mês de Agosto, e o resultado não havia lugar para estacionar nem a Km da praia, isto meus amigos é stressante  e se é stressante não são férias.

Eu pessoalmente e já há alguns anos, tento não tirar férias em Agosto, e adoro trabalhar neste mês, como a maioria das outras pessoas estão de férias, não há o stress de quererem as coisas para ontem, compreendem que os serviços estejam a meio gás, e até dizem " Pode ser para Setembro, que também vou de férias", é quase como também eu estar de férias.....

 

24
Ago17

Comprei um livro

m.

Okay isso não é propriamente novidade para mim, mas o melhor e é sempre tão fixe é que custou 0€,  num site que sou consumidora assídua e com o qual tenho excelentes relações.


Do valor acumulado deu para comprar um livro que já li emprestado, obrigado Z. , e que queria mesmo porque é um daqueles livros que queremos voltar a desfolhar.


iWook.pt - O Rouxinolmagem


 


 

24
Ago17

Sim !!

m.

 

Ontem fui a uma loja levantar uma encomenda, como estavam clientes a ser atendidos, eu aguardei a minha vez, sem dizer mais nada além do boa tarde inicial. Passado alguns largos minutos (mais de 10 minutos seguramente) a funcionária pergunta:

-Quer alguma coisa??

- Não, estou só aqui a olhar para a sua linda tromba. (em pensamento, que tenho alguma educação)

- Sim, claro que sim, e é bom que se despache, que o calor está-me a custar muitas gotas de suor.

 

 

 

 

 

23
Ago17

Sentimentos desencontrados

m.

Acordei segunda com a energia de uma sexta, e por volta das 10:30, apeteceu-me voltar para os bons dias que se passam sem stress, sem as obrigações laborais, sem as responsabilidades, apeteceu-me mesmo muito "chamar os bois pelos nomes", porque isto de deixar os problemas para os outros resolverem  é mesmo de adulto!!!!  

Mas por outro lado e ao contrário de alguma gente, não fujo dos problemas e enfrento as feras, mesmo tendo uma muito vaga ideia do que se passa e só ficando esclarecida quando alguém me explica sem medos e sem meias palavras.

 

 

22
Ago17

Malala Yousafzai - Biografia

m.

Malala Yousafzai; Eu Malala

 

 

 

Eu, Malala

 

 

 

"No dia 9 de outubro de 2012, Malala Yousafzai, então com 15 anos, regressava a casa vinda da escola quando a carrinha onde viajava foi mandada parar e um homem armado disparou três vezes sobre a jovem. Nos últimos anos Malala – uma voz cada vez mais conhecida em todo o Paquistão por lutar pelo direito à educação de todas as crianças, especialmente das raparigas – tornou-se um alvo para os terroristas islâmicos. Esta é a história, contada na primeira pessoa, da menina que se recusou a baixar os braços e a deixar que os talibãs lhe ditassem a vida. É também a história do pai que nunca desistiu de a encorajar a seguir os seus sonhos numa sociedade que dá primazia aos homens, e de uma região dilacerada por décadas de conflitos políticos, religiosos e tribais."

 

Este livro estava na minha wislist, desde que soube da sua existência, a Malala é uma jovem adolescente, que luta por aquilo em que acredita, a educação das meninas/mulheres numa sociedade que as mulheres são completamente neglicenciadas, e  foi trágicamente atingida, mas sobreviveu, este livro, é um relato da sua experiência.

 

Um relato impressionante, e com alguns lapsos temporais que começa pelo fim, ou seja com a tentativa de assassinato da Malala. E a partir daqui não consegui parar e ficar impressionada pela sociedade deste País, pela luta de uma rapariga e da sua familia, o desespero.

 

Adorei conhecer esta família, que lutou e conseguiu sobreviver , o pai da Malala um homem com H grande, porque sempre ensinou a filha e os filhos a lutar pelos seus sonhos.

21
Ago17

O Porto num dia

m.

Adoro ir ao Porto, em trabalho, em passeio, por coisas minhas, e desta vez  resolvemos  encontrarnos em pleno Agosto na Invicta, um encontro numa cidade que está tão bem servida de transportes públicos, que chegamos todos a mesma hora,  (ou quase), na verdade foram só 20 minutos depois, mas como diz a TG, isso agora não interessa nada, eu tinha uma  e apenas uma imposição, irmos ao Café Magestic, fosse o café a 10, 20, ou o preço que for, tínhamos de ir, e foi o nosso ponto de encontro, um dos emblemáticos da cidade. Adorei atendimento 5*, o café no ponto, a conversa q.b. e a alegria de nos reencontrarmos quase um ano depois, compensou a espera. Depois rumamos até a ave. dos Aliados, e fomos a uma livraria em extinsão, uma tristeza, e até aposto que o futuro dirá, alojamento local X...passagem pelos Cléricos e pela Lello,  a fila interminável espelha bem, o mundo globalizado em que vivemos.

E perto da hora de almoço, pela praça dos leões, encontramos um restaurante pitoresco, com serviço de buffet, toca a comer que a tarde promete ser longa.

E assim foi numas descidas alucinantes, pelas ruelas e calçadas (ai que me estou a lembrar do Rui), até a Ribeira, passando por vários e muitos monumentos, casarios tipicos,  outros nem tanto, em amena cavaqueira, umas fotos para mais tarde recordar, e depois de atravessarmos milhares de turistas, eis a parte final e mais dificil, qual ciclista a chegar á meta, subir as escadas até a Sé, muitas paragens pelo caminho, água para repor do esforço, e sempre acompanhados pelo burburinho de linguas diferentes e castiças, o nosso popular, a roupa estendida como, não, estamos nos bairros típicos, a roupa é para estar a apanhar sol, e a secar ao vento,  a maré trás até ao Douro, uma brisa que nos ajuda nos degraus finais......ainda apreciamos a Sé e as vistas da cidade, como é impossivel não o fazer perante tanta beleza, é impossivel não nos debruçarmos nos murais e apreciar a beleza de um lado e do outro da cidade.

E chega a hora mais triste a da partida, como em tudo o que começamos deveremos acabar, e para nós este dia está a chegar ao fim, rumo a São Bento, e ao apressado "Pouca-Terra", até ao destino.

 

E para nós não é um adeus, não é o fim, é um até breve, um até já.

21
Ago17

Ir á feira

m.

Bem há que anos não ia a feira ou ao mercado, e como em todo o lado neste mês de Agosto, não havia local de estacionamento, e a solução foi sair dali e ir estacionar muito mais longe, um erro crasso, esqueci-me das compras, ou melhor comprei sem pensar no peso e nos metros (muitos) de distância, é que quando vamos "feirar" é mesmo a sério...aproveitam-se todas e quaisquer pechinchas.

Quanto à multidão nas compras, sabem os CC no mês de Natal era tal para qual. 

As "barracas" ou tendas de feirantes, cada vez há mais, mas desde a última vez, vejo que a qualidade diminuiu bastante, e agora deixamos de escolher peça a peça, para tirar do monte e ver a melhorzinha ou a com menos defeitos, e atenção se vier o senhor guarda, então é que a feira fica animada, até te tiram as peças da mão e deixas de as ver em menos de nada. É tão giro ver e sentir a emoção, claro que se não experimentas, podes ter e tens muitas vezes problemas, mas até para isso há solução, eles trocam na semana a seguir, se te lembrares onde comprastes claro.

Uma das coisas que evoluiu com a feira, foram as "barracas" de comes e bebes, aquelas bifanas que são temperadas num alguidar,  colocadas numa frigideira XXL, tem um sabor, que nem a inspeção pode colocar em causa. E o fino, em mais lado nenhum é igual.

Valeu a pena reviver esta experiência, e aquelas bifanas.....ai que gostinho mais bom. E não esquecer da troca dos trapinhos que aquele top, era mesmo giro, mais ninguém tem um igual ,  tinha mesmo de vir comigo, e parecia do tamanho certo....... 

09
Ago17

Nesta cidade onde moro....

m.

...o mês de Agosto é um verdadeiro caos, é mares de gentes pelas ruas, temos de andar com mil e um cuidados, não por podermos ser assaltadas, mas para não tropeçarmos nos turistas que andam a ver e param para isso, claro, as montras.

Vai uma pessoa na sua vidinha, fazer uns recados e é quase atropelada pelos grupos de pessoas, que andam e muito bem nas suas férias turísticas.  Quase que é uma alegria todo este povinho.

Outra coisa terrível é o transito, há congestionamentos, quase como na capital se ouve durante todo o anos, aqui é em agosto, "trânsito condicionado, na Av. X, pode em alternativa ir pela rua Y, e descer até á praceta B..."  LOL mas temos de ter paciência, que daqui a uns dias tudo para e continuamos no nosso dia  a dia tranquilo.

 

 

03
Ago17

Mudanças e limpezas literárias

m.

Todos os meses, ou melhor uma vez por mês, faço aquela limpeza nas estantes, mas volto a colocar os livros exactamente como estavam, a profundidade das limpezas não dá para tanto.


Ontem ia para ir buscar um livro, e naquelas estantes, não o consegui encontrar, procurei-o duas vezes, e nada.  Encontrá-lo foi toda uma epopeia, e até é normalito, se fosse booket, desculpa-se mas não, estava num local, que nem me lembro de o ter lá colocado e ao pé de livros que não tinham nada ou pouco em comum com ele, por isso e depois de ter desarrumado muito, comecei a ponderar e a tentar arrumar os livros com alguma lógica que para mim façam sentido.


 

03
Ago17

Ups - Bom dia

m.

Oh estou na semana de encontros imediatos em plena manhã, quando uma pessoa ainda vêm a pensar no sonho anterior, e a arrumar a mala esbarra literalmente nos vizinhos ....pelo menos agora já nos conhecemos 3º A.  LOL

02
Ago17

Really ???

m.

Há pessoas, que até para pedir café são complicadas!!!!

 

Sim, isto é verdade, pessoas que  complicam até o simples (acho eu, que nunca tirei um café naquelas máquinas, que me parecem ET´s), acto de tirar um café, uma bica, o que lhe queiram chamar, por isso e tendo mesmo muito respeito e alguma amizade pelas senhoras que tiram o café, acho que implicar por implicar me parece uma parolice e um despropósito, que tira a vontade de quem está na fila, de permanecer calada.