Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

a herança do vazio

a herança do vazio

20
Mai18

Sobre o casamento Real Harry-Meghan, e a seca das nossas tv´s

m.

Esqueci-me de ver, mas quando ia para ver as notícias nos nossos canais, fui logo inundada com todos os detalhes, pormenores, acontecimentos, vestidos, convidados, copo de água, festas, e  etc, etc, etc. 

E só me pareceu um exagero descomunal por parte da RTP, SIC e TVI, não podiam ter combinado e passar o casamento num só canal? O que havia para ver diferente, só diferiam nos comentadores, e ai sim tinhamos um amplo leque de escolha, apesar de achar que os comentários depois de x tempo, passavam a ser iguais ou parecidos. 

O que parecia ir ser uma festa de casamento, passou a ser uma disertação com pseudo especialistas, em tudo e mais alguma coisa sobre a Familia Real Inglesa e a Noiva Actriz e Americana.

Haja paciência senhores.

Quanto aos noivos, desejo-lhes muitas felicidades.

16
Mai18

Que vergonha !!

m.

Novela Sporting, parte 2:

 Embora ache que não vamos ficar por aqui. Que triste os acontecimentos de ontem na Academia, em nome de uma gratidão de um falso  idealismo, ocorre violência gratuita, e foi isso que vimos, depois de tantos incidentes e incentivos á violência, eclodiu e das piores formas, os barbaros adeptos enganaram-se nas vitimas.

Depois de tanto incentivar o senhor presidente deve estar contente, e de quem é a culpa, não é dos vizinhos nem dos outros é dele próprio. E isto deixa-me triste porque quem deve dar os exemplos não os faz, ainda activa mais os animos.

Deixa-me triste esta situação e acho que é uma vergonha para o Clube e para os outros adeptos que não se revêm nestas acções nem nos discursos.

15
Mai18

Ai Jesus !!!!!

m.

Desculpem, mas tinha mesmo de escrever sobre esta situação, que o presidente diz que não suspendeu, e aconselha os jornalistas a perguntarem ao Bruno???? Estamos perante um caso de dupla personalidade.

Eu não sou muito de ligar a futebol, mas a sério estas situações fazem com que comece a apreciar esse desporto, ou melhor as novelas que rodeiam esse desporto, é que quem precia de pagar bilhete de cimena, quando ligas a tv e ouves os dirigentes desportivos/comentadores, esperas por notícias sérias, e começas a ver um desfile de carros que calculas quem vai lá dentro receba mais que o ordenado mínimo (sortudos), e dás por ti embasbacada (com os carros), mas mais caricato, a especulação e a figurinhas dos nossos canais informativos.

A cereja no topo do bolo é quando sai o presidente, ai fui ás lágrimas de tanto rir, o homem errou na profissão...devia ser cómico em vez de presidente de um clube sério.

 

 

15
Mai18

Vou opinar sobre o Festival Eurovisão da Canção

m.

De há uns anos para cá temos (eu por associação, mas também opino) organizado um post de debate naquela rede social que a maioria de nós temos, que serve para muito, e em termos de debate então é uma verdadeira mina, adiante, começamos o ano passado, pelo menos eu, e o ano passado foi top, ganhámos, o Salvador Sobral, e uma nação inteira que há mais de cinquenta anos anda nestas lides e nunca tínhamos ganho nada. Os debates foram refrescantes e unânimes, ele era mesmo o melhor.

Este anos organizámos (Obrigado I. és a maior), e começamos por debater as semi finais, aqui ficamos uns convencidos das músicas que passavam, outros desiludidos, algumas já sabíamos que passavam sem sequer muito esforço, na segunda semi final, o leque das músicas foi excelente, gostei da maioria delas, e ai as minhas favoritas passaram e eu fiquei contente.

E eis que chega ao dia da final, 12 de Maio, o ano passado ganhámos este ano, esperamos ter uma boa classificação, não,  a nossa música era fraquinha, não me convencia de forma nenhuma. Quando comecei a ver as votações, fixe a que diziam que ia ganhar, está em segundo ou terceiro, portanto, pode que ganhe outra qualquer que não ela, a Toy, mas as votações do público, foram unânimes e a maior pontuação foi mesmo uma brincadeira, de mau gosto e de má música.

Para mim um dos momentos altos da noite foi a interpretação do salvador Sobral, foi tão bom ouvi-lo.

 

Tenho uma dúvida, Israel e Austrália pertencem à Europa? É que para mim isso é mesmo novidade, tenho de voltar aos velhinhos livros de geografia.

 

14
Mai18

Em Fátima fui a um concerto do Andrea Bocelli

m.

Ainda não estou em mim,  a primeira vez que entrei na Basílica da Santíssima Trindade em Fátima, pensei este espaço  parece-me mais um local de concerto do que propriamente uma Igreja, e com os meus botões, aqui um concerto deve ser qualquer coisa de fantástico. Pois não é que à cerca de um mês, alguém me diz, arranjaram-me bilhete para ir ver o Andrea Bocelli (esta dos dois L , não me vou esquecer I.) e eu arranjei mais dois, um para ti e outro para a S, ai a minha vida nem estava nada a ver nem a perceber do que estava a falar, mas depois fui pesquisar e era verdade (não que duvidasse da moça), e era dia 13 de Maio, um domingo, e em Fátima. E numa conjugação extraordinária de factores, fomos a um recital de Acção de Graças pelo Centenário de Fátima, com Andrea Bocelli (adoro-o e cada vez mais), Ana Moura, e uma violinista e uma pianista.

Que dizer, cheguei quando os restantes peregrinos estavam nas cerimónias, fui apitada por um senhor agente, que não parava de me apitar, mas depois foi tão simpático, que me sugeriu um buraquinho para estacionar, num daqueles parques abarrotar de carros, autocarros, auto-caravanas, barraquinhas e etc. Obrigado senhor agente.

Depois tivemos um pic-nic, super ventoso, mas a comida estava toda muito boa, e aproximando-se a hora do concerto lá vamos nós para a fila, e que rapidez e eficiência, o concerto começou alguns minutos atrasado (que importa), com um solo de violino arrepiante e depois entra o Andrea, que maravilha de recital, comovente e emocionante como só ele nos consegue colocar com pele de galinha, arrepiada e muito emocionada, porque as músicas apelam ao silencio e à emoção. Perto do fim somos brindados com a voz da Ana Moura, com o Avé Maria, e foi lindo, uma cantora que tem subido muito no meu gosto pessoal, cada vez gosto mais dos seus concertos e da sua forma de cantar.

Os aplausos finais foram poucos para um Grande Artista, que apesar de ser muito parco em palavras, deixa-nos completamente arrebatadas e hipnotizadas com a sua voz.

 

Obrigado Andrea és Grande.

 

 

05
Mai18

Maio mês das saudades

m.

Maio era um mês que eu adorava, o dia da mãe, dos aniversários, mas há cinco anos tudo mudou e passou a ser não só mais um mês, como um mês de dolorosas recordações e de dor, de saudade por quem partiu e só recordo com carinho e ternura.

Para mim o dia de amanhã não deixou de fazer sentido só porque a minha mãe morreu,  e ainda me dói a falta de sensibilidade de algumas pessoas, quando dizem "ainda não sei o que vou comprar para  a minha mãe, nem te pergunto o que vais comprar." 

Flores, como sempre, porque não estando fisicamente perdura na memória e no coração. 

05
Mai18

Porto vs Benfica, em festejos

m.

Por aqui começam os festejos, poucos, muito poucos, mas barulhentos, se há algo que une as pessoas é o futebol. O contrário também é válido, mas em dia de festejos só há alegrias. 

Para o meu clube, para o ano há mais rapazes. 

Acabo de ouvir fogo de artifício!!!!!!! E os festejos aumentam. Um carro de cada vez. Nada comparado com os festejos do meu clube, centenas de carros e pessoas logo nas ruas....a emoção de acenar e festejar.

Para o ano voltamos á competição para ganhar, certo Benfica?

 

30
Abr18

Perdão, Amor

m.

As pessoas que mais queremos são as que mais nos desiludem e nos fazem sofrer, a dor da desilusão é sempre maior e mais difícil de suportar, as mágoas vão-se acumulando, quando já não aguentas mais explodes, depois ficamos ambos tristes e magoados.

Mas há coisas boas na vida, o Perdão, além do Amor que sentimos pelo outro, é uma das "armas" mais poderosas, e saber Perdoar além de ser uma virtude é um sentimento bom, um daqueles que nos aquecem o coração e nos anima a continuar a Amar.

30
Abr18

Caminhada pelos Passadiços do Paiva; Arouca

m.

E o dia escolhido para a caminhada foi o dia da Liberdade, o dia 25 de Abril. Tempo ameno, de Primavera? Não, calor de Verão, mas quem caminha por gosto, isso nem foi uma preocupação por ai além. 

Com algumas paragens por imprevistos ( o que é uma excursão sem imprevistos e atrasos, não era  a mesma coisa), sempre explicados pelo grupo organizador (Ideias Essenciais Eventos e Passeios Turísticos Faustino Teixeira são cinco estrelas). Com a primeira paragem em Vila Real, café, pequeno almoço, ou o quiséssemos, porque já levávamos uma hora de autocarro, soube bem começar este pré aquecimento.

Depois e eu sem fazer ideia onde se situavam os Passadiços nem pouco mais ou menos, demoramos mais umas duas horas de autoestrada e estradas nacionais, que pecaram pela triste paisagem enegrecida e triste, ainda no autocarro e como tínhamos de ir nas localidades a passo de parados, dizia adeus às pessoas que em dia feriado aproveitavam para tratar das suas culturas agrícolas (vulgo semear / cavar batatas), foi divertido, porque elas paravam para descansar e algumas acenavam, isto é da herança, desde sempre me lembro do meu pai cumprimentar todas as pessoas por quem passava na aldeia vizinha, mas ele conhecia as pessoas, eu não, mas o meu avô materno fazia o mesmo, e ele tal como a neta não conhecia  as pessoas), depois de muitas curvas, descidas, subidas, e mais disso, parecia que nunca mais chegávamos, mas eis-nos à beira do Rio Paiva, no local de partida/chegadas, para embarcarmos, ou melhor caminharmos, nestes tão famosos passadiços.

A organização, que já tinha feito um breve briefing (ai que me lembrei de quando trabalhei naquela empresa, onde todos os dias tínhamos um briefing, nunca mais tinha ouvido a palavra), e explicado, combinado, e avisado das regras e dos cuidados a ter em respeito pela Natureza e pelos outros Caminhantes (isso devia ser Civismo e senso comum), mas é realmente sempre melhor avisar e relembrar, porque mesmo assim, ainda me insurgi por ver uma pessoa adulta, a dar um rebuçado, ou o que fosse  a uma criança e a deitarem os papéis fora (e eram do nosso autocarro). 

Começamos a caminhada no sentido Espiunca - Areinho  e terminávamos o percurso com cerca de 300 escadas para subir, e umas quantas (500? para descer), com isso em mente, propus-me poupar na água, só mesmo em SOS, e na alimentação, antes de começarmos uma barrita, a hora do pequeno almoço já ia longe.

20180425_114425.jpg

No início começamos um grande grupo, mas como era para caminhar ao nosso ritmo e apreciando as maravilhas da natureza, impossível não parar e ouvir o relaxante som dos rápidos e da água, que ao longo de todo o percurso nos acompanhou, seja no rio (lado esquerdo), ou caindo por entre as pedras e encostas do nosso lado direito. 

20180425_115032.jpg

O verde da paisagem é ia dizer bonito, mas é pouco, é de um deslumbramento que nos deixa como que enfeitiçados, e a queremos (eu pelo menos) explorar essa zona de vegetação tão diferente, e ao mesmo tempo apelativa. E fomos em grupos mais ou menos pequenos consoante as companhias e os passos ao nosso ritmo, parando aqui e ali para apreciar convenientemente a paisagem e descansar um pouquinho, porque o calor era muito.

20180425_130536.jpg 

A meio do percurso e previamente definido paragem para reabastecer, tinha de ser, e soube mesmo bem. Aqui no meio do percurso encontram-se dois ícones dos passadiços a Cascata e a ponte suspensa (medo), no meio da natureza a pureza das 

águas refrescantes e relaxantes, apetecia ficar mais um bocadinho e tomar um duche ou um banho no rio, mas nada que pudesse fazer neste dia, mas quem sabe da próxima vez, com mais calma e tempo.... 

Continuando que isto de passar a ponte suspensa é de meter medo, não o fiz, sei que começava a tremer mas deve ser uma experiência fixe, para os radicais, para mim passo, obrigado, mas gostei de ver a fila interminável para a passar duas vezes. 

Com  a força do calor, começamos a sofrer um bocadinho, e ao longe os passadiços tornaram-se assustadores, mas como tinha de ser, coragem e força, para iniciarmos a subida, mas na curva do rio, vemos a  Cascata das Aguieiras e incrível a Natureza  a água a cair das serras e a força que nos transmite e permite encarar a subida com algum entusiasmo (bom não era hipótese desistir). 

20180425_134845.jpg

 Esta subida interminável, custou-me um bocadinho, mas depois a preocupação e a entreajuda a quem estava pior e lhes foi mais difícil, não parei  a pensar no que tinha pela frente, era sempre mais um lanço, que estamos no bom caminho, entre nós lá fomos lanço a lanço, e com a paisagem deslumbrante chegamos ao topo, vitoriosas de um longo caminho percorrido. 

20180425_140001.jpg

 

Depois da encosta de subida, a descida, e mais uns quantos passos para terminar e encontrar-nos todos no ponto de encontro Areinho pausa merecida e desejada para refrescar, café e água, para repor energias, que ainda nos faltava mais um bocadinho até ao autocarro.

Depois veio o repor das energias, que a organização nos proporcionou, excelente serviço, aquela paparoca sobe que nem um manjar e o local foi inteligente Monte e Capela da Senhora da Mó; Arouca. 

20180425_163143.jpg

Ainda tivemos tempo para uma breve visita a Arouca, que tem uns doces conventuais divinais, e gente super simpática, falo pelo senhor da pastelaria, que nos ofereceu um dos doces típicos e nos explicou cada um deles.

Uma excelente caminhada em boa companhia com uma organização excelente que estavam sempre prontos para esclarecer e ajudar http://www.ideiasessenciais.pt/