Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

a herança do vazio

Blogue de pensamentos, acontecimentos e experiências.

a herança do vazio

Blogue de pensamentos, acontecimentos e experiências.

23
Jul18

Maratonas, quê???

m.

Desde que me inscrevi no Goodreaders, que participo em  algumas maratonas literárias, aquelas onde escolhemos certos e determinados livros para as nossas leituras, e hoje comentava a maratona do Verão, que a estava a fazer e a divertir-me imenso, que não é sacrifício, nem imposição nenhuma, blá blá blá., e a minha colega pergunta:

 

- E isso são quantos quilómetros??????

 

 

Nem comento

 

 

22
Jul18

#MLPalavrasdeVerao 19 - Sangria

m.

19 - Sangria; Ler um livro de um autor espanhol

O jogo do anjo; Carlos Ruiz Zafón (575 páginas)

desafio 19 sangria.jpg

 Sangria, autor espanhol, e passada em Espanha, mais concretamente em Barcelona, o pleno, embora o autor seja catalão, segundo as minhas pesquisas ainda a Catalunha é espanhola. 

Uma história de magia, livros, de heróis improváveis e dos meus queridos conhecidos os Sempere, do livro anteriores (A Sombra do Vento). Foi uma história agridoce, porque embora tivesse todos os elementos que gosto (mistério, heróis, livraria, investigação, romance, amizade) fiquei triste pela morte de uma personagem muito querida, foi bastante triste e inesperado, e isso tirou algo da magia à história e não acho que fosse mesmo necessário para a história. 

22
Jul18

#MLPalavrasdeVerao 20 - Sol

m.

20 - Sol; Ler um livro com capa maioritariamente amarela; Com Sol no titulo; Cujo titulo tenha letras com as quais se pode formar a palavra Sol

Tiempo sin Tiempo; Sherilyn Kennyon (250 páginas)

desafio 20 sol.jpg

 Outra das minhas autoras, este não era o livro "original " para este desafio, o original era o livro Obrigado pelas recordações; Cecília Ahern (Palavra SOL). Mas realmente esta história fantástica encaixa aqui como uma luva neste desafio. 

Capa maioritariamente amarela (cor do sol). Imagem de um sol na capa. Inúmeras referências ao SOL na história.

Uma história da série Dark - Hunter, a eterna luta entre o bem e o mal, Ren e Kateria são dois seres especiais, que sofrem inúmeras traições, e com a ajuda de Deuses e Were Hunters conseguem ganhar mais uma sangrenta e emocionante batalha sobre o Mal. 

22
Jul18

#MLPalavrasdeVerao 16 - Mar - Pescadores - Passeios de Barco

m.

16 - Mar - Pescadores - Passeios de Barco; Ler um livro cuja capa tenha um animal marinho

O Velho e o Mar; Ernest Hemingray (134 páginas)

desafio 16 mar.png

 Bom, o que posso dizer, gostei da história, aprendi algo sobre pesca e sobre mim, e o facto de não querer mesmo ir para alto mar, nem tão pouco pescar, mas a história ficou muito aquém das altas expectativas que tinha para este autor e este livro. Adorei a atitude do jovem em relação ao "Velho", o Salvador de seu nome, muito responsável e respeitável, quanto ao autor achei a forma de se referir ao Velho como algo descartável, e no fundo é de uma coragem incrível. 

22
Jul18

#MLPalavrasdeVerao 15 - Livros - Ler

m.

15 - Livros - Ler; Ler um livro de um dos teus autores favoritos

A 9ª vítima; Tami Hoag (379 páginas)

desafio 15.jpg

 Desde que em dois mil e qualquer coisa (sou péssima para datas), me emprestaram um livro desta autora, e não sendo sócia do CL, faço mil e uma coisas (inclusive ir a loja desta editora a Lisboa) comprar um livro desta autora, mas agora sei que a L. é sócia e faz o favor de me avisar e encomendar, ela já sabe, nem precisa de perguntar. 

Não consigo descrever é mesmo ler para crer, não me lembro de algum adjectivo melhor que maravilhosa, para descrever a escrita, real, crua, sem floreados, impossível de parar e não gostar. 

É  dela um dos meus livros favoritos e talvez o que já mais vezes reli, Paraíso das Trevas

A história é brutal, Kovac e Liska, tem um cadáver entre mãos que associam erradamente a Doc Holiday, um assassino em série que eles perseguem (livros anteriores), mas este assassinato tem tanto de brutal como de irreal, e apesar das coincidências, desta vez Doc Holiday está ilibado. 

22
Jul18

#MLPalavrasdeVerao 2 - Amigos-Família

m.

2 - Amigos - Família; Ler um livro emprestado ou recomendado

Jardim de Inverno; Kristin Hannah (349 páginas)

desafio 2.jpg

 Um verdadeiro gosto e um tempo passado com prazer, é tão relaxante e emocionante ler esta autora, que tenho de agradecer mais uma vez à S., por me ter ajudado a conhecer toda a restante obra editada em Portugal.

Uma história sobre o passado, e também sobre a esperança, desde a segunda guerra até aos nossos dias esta família, sofre os desgostos e os enganos, mas o passado volta de uma forma inesperada e feliz.

 

22
Jul18

#MLPalavrasdeVerao 6 - Caipirinha

m.

6 - Caipirinha;  Ler um autor brasileiro ou cuja acção seja descrita no Brasil

A Sucessora; Carolina Nabuco (205 páginas)

A Sucessora by Carolina Nabuco  

Por coincidência o livro é de uma autora brasileira e a acção do mesmo decorre no Rio de Janeiro (Brasil).

Marina inexperiente e jovem é a segunda esposa de Roberto, Alice a esposa falecida, uma mulher que todos adoravam, e idolatravam, é neste ambiente que Marina recém casada se encontra e tem de aprender a superar os seus medos e temores para conseguir sobreviver a uma sociedade onde todos falam de Alice e as comparações. Um livro que fala de superação luta pelo seu lugar numa casa onde por todos os cantos ainda persiste o " fantasma " da esposa falecida.

Segundo pesquisei e li há uma polémica com o livro Rebecca de Daphne du Maurier dizem que plagiado da história brasileira e a brasileira diz que o outro foi plagiado da Sucessora. Verdade ou não, são assuntos que nos transcendem a nós leitores, a única coisa que posso fazer para tirar a dúvida que também em mim se instalou vou ter de ler Rebecca num futuro próximo.

Não houve uma razão especial para este ser o primeiro desafio concluído, apenas que tinha de ler um autor brasileiro para um outro desafio do Goodreaders. 

22
Jul18

Maratona Literária Palavras de Verão (22 /06 a 22//09)

m.

Fui convidada a participar nesta Maratona Literária,   e achei os temas/desafios aliciantes já convidei outros amigos.  https://www.facebook.com/groups/602585316786906/ 

O mais engraçado é que consegui arranjar os livros, reparei que na minha estante, com muitos livros para ler, (toca a despachar), tenho mais do que uma  opção para os diferentes desafios.

Foi uma noite divertida  a organizar os livros para os desafios e a inserir cada um deles, como há livros que não tenho, ou que já li, tive de pedir ajuda e logo alguém se disponibilizou a emprestar-me não só o livro pedido, mas todos os livros da autora em questão.

Assim além de ter de ler, 21 para a maratona, e os 5 para os desafios extras, estou comprometida  a ler os emprestados e a avisar que podem demorar, a não ser que algum livro e por falta de tempo de ler a TBR origina, o consiga encaixar nos desafios.

 

TBR original maratona palavras de verão.jpg

TBR Original, (sujeita a alterações)

 

Maratona Literária das Palavras de Verão

Desafios

1- Água

2- Amigos - Familia

3 - Aniversários - Festas - Bailaricos 

4- Aventuras - Comboio - Passeios  

5 - Azul

6 - Caipirinha

7- Calor

8 -  Campo - Rios - Serras 

9- Churrascos- Grelhados - Convívio - Esplanadas

10- Cor

11 - Descanso

12 - Diversão

13 - Férias

14 - Gargalhadas - Boa Disposição 

15 - Livros - Ler

16 -  Mar - Pescadores - Passeios de Barco 

17 -  Noitadas - Noites na Rua

18- Paz

19 - Sangria

20 - Sol

21 - Viagens - Regresso ao país de origem  


Desafios Extra

Praia - Piscina

Alegria-Sorrisos - Feliciade

Piqueniques

Ar Livre - Ceu Azul

Gelados

 

 

22
Jul18

A cara da funcionária

m.

Foi impagável, a cara da funcionária, quando lhe perguntei onde estavam as palmilhas, olhou para mim como se lhe tivesse a pedir um objecto estranho não identificado. Eu sei que os pezinhos dela são novos e ainda não precisa de conforto, mas eu sim, e olhar-me como ET não foi nada agradável. 

Tive de as procurar sozinha, e escolher aquela que melhor me proporciona conforto.

 

17
Jul18

Despertares

m.

Acordei com o toque do telemóvel, mas não o toque do despertar, e assustei-me, faz parte das memórias distantes de cada vez que o telemóvel tocava o meu coração começava a bater a "mil por hora" (cientificamente impossivel), mas era a sensação, por motivos que agora não vêm ao caso, e consigo perceber mal a identificação, abrir os olhos, não ter os óculos à mão, as horas, foi difícil perceber o que se passava e assutei-me logo, porque o ser humano está programado para isto, pensar logo o pior, mas depois ouvi uma vozinha:

"- Bom dia, já estás acordada?"

Contrariamente ao meu mau humor matinal, desta vez respondi com entusiasmo e felicidade.

Mas quando expliquei que só costumava despertar dali a meia hora, a vozinha lá do outro lado responde

" -  Então vai lá dormir! "

Beijinhos e um bom dia para ti também.

 

 

 

16
Jul18

Mundial adeus até daqui a 4 anos

m.

Não sendo fã acérrima de futebol, gosto q.b. segui sem grande interesse o Mundial, e a dada altura comecei a torcer pela Bélgica, ou pela Inglaterra, o terceiro e quartos classificados respectivamente. Quase que acertava nos finalistas, quase....gostei muito do jogo da Bélgica e da Inglaterra e fiquei triste quando ambos não passaram à final.

A nossa selecção ficando pelo caminho deixou-nos órfãos de preferências, no que me diz respeito, e depois começaram (ou algumas já tinham ido embora) as eternas favoritas, e assim o Mundial começou a passar-me ao lado, sabia apenas os resultados e quem ia passando e pouco mais.

 

 

 

12
Jul18

Fomos a Madrid e a Segóvia; peripécias

m.

Olhem só mesmo eu para começar a correr assim que vejo uma estátua de um dos meus pintores que sempre quis conhecer as suas obras originais, as réplicas essas já as tenho, obrigado.

Diego Velázquez, sabia que no Museu do Prado, havia uma porta Velázquez, e andava à procura, quando a encontrei, delirei. assim mesmo, eufórica e excitada como uma criança numa noite de Natal, e pedi ao nosso guia a nossa bandeira, porque hoje estávamos em Espanha mas também a pensarmos em Portugal e saco do telemóvel e peço para nos tirarem a foto,  a mim à bandeira e ao pintor, ao qual cortaram a cabeça, pânico, assim que vi a foto só queria voltar para trás e voltar a pedir a alguém que soubesse mesmo tirar fotos, para a repetirmos, mas não houve tempo, o restante grupo já se estava a afastar e tive de correr em plenas "calles de Madrid" atrás do guia para lhe devolver a bandeira. Só eu, felizmente alguém tirou uma foto como deve de ser, mas só a vi passado uns dias. Obrigado J.

O resto do tempo portei-me como uma pessoa normalita, sem correr a tirar objectos ás pessoas, excepto no domingo de manhã, emoção de estar no estádio do CR, foi superada por poses estranhas a ouvir os hinos das celebrações, ao pé das taças, será que existe outro clube com tantas ou mais taças de todos os tamanho, feitios e importância. Mas foi uma emoção controlada, pena que entretanto o CR tenha saído, por motivos que nem quero opinar.

Em Segóvia a única peripécia, foi, ver um manequim e dar-lhe o braço....okay sol a mais dá nisto. Felizmente poucas pessoas viram, mas há provas.....

 

 

12
Jul18

Alive só fui a este....e gostei

m.

NDFLRL63.jpg

Que sou fã dos Muse, ninguém duvide e este concerto foi o segundo que vi do grupo, gostei, mas gostei principalmente da envolvência de todo o espírito festival, o conjunto de bandas, palcos, grupos que se conhecem, os brindes, as barraquinhas, as pessoas que tem uma abertura fora de série.

 

11
Jul18

Fomos a Madrid, e a Segóvia

m.

Que fim de semana tão, acho que ainda ando a procura de adjectivos para associar a este passeio e a esta cidade e cidades de Espanha, o único ponto negativo foi não termos ganho o jogo. E os espanhóis também festejarem a nossa derrota, mas os festejos deles foram de pouca dura, nem 24 horas, o karma é lixado e ri melhor quem ri por último, nós.

Saímos de madrugada porque é longe e fomos de autocarro, em excursão organizada, e chegamos na hora certa, depois do pequeno almoço e antes do almoço, a Madrid, e logo com as jóias da coroa (agora estou a lembrar-me de uma fala numa série, adiante), o Palácio Real e a Catedral de Almudena, que vistas espectaculares, aquele passeio por aqueles jardins, do pouco que vimos, foi um cheirinho a quero mais. Aquele Palácio e a Catedral merecem umas visitas mais em detalhe. Ainda conseguimos entrar numa das capelas laterais da Catedral e deu para rezar pela nossa selecção (os Argentinos estavam lá a orar). Adorei as portas em bronze com relevo.

Seguimos em direcção à Puerta del Sol, e claro, tive que "fugir" para ir tirar uma foto ao símbolo máximo de Madrid, O Urso e o Medronheiro. Depois já não tive foi tempo de ir ao Quilómetro 0, fica para uma próxima.

O almoço livre teve de obrigatoriamente incluir bocadillo, senão não era passeio a Madrid.

De tarde um passeio obrigatório ao Passeio del Prado, Atocha e ao Museu Rainha Sofia, assim em passeio e em grupo foi uma experiência muito positiva, entre risos, conversas e pequenos malabarismos, foi uma tarde bem passada, que terminou no Parque del Bueno Retiro, e unas cañas, que souberam pela vida, e a terminar a nossa empada levada aqui da cidade que estava 5*.

A noite foi para o futebol, e para ver as vistas de noite, isto foi uma surpresa que não estava incluído no itinerário, mas esta organização ( http://www.ideiasessenciais.pt/   Passeios Faustino) supera sempre as nossas expectativas. E em Madrid nada melhor que para passear de noite, que os bairros típicos, nós fomos, para o Bairro de la Chuenca, um bairro típico e castiço, onde predominavam os símbolos da semana do Orgulho, celebrada em Madrid, bares com história e muita animação.

No segundo dia, estava expectante para conhecer o interior de um estádio, não a parte bancadas/relvado, mas o núcleo central, e nada melhor que uma tour pelo estádio de Santiago Barnabéu, para com uma visita a sala de troféus, aos balneários, ao relvado, e a comoção de vermos o Nosso Cristiano em grande destaque por todo o lado (pena que já tenha saído), um orgulho.

De tarde era hora  de virmos embora, que ainda nos esperavam uns bons quilómetros, e surpresa, é anunciado uma paragem e passagem numa cidade que fica a caminho e que é Património da Humanidade, Segóvia, aqui esta vossa "blogger" (olha a pretensão da rapariga), pensava erradamente que esta cidade se situava no sul, não, é mesmo aqui perto e linda, umas vistas carregadas de história, ruelas calcorreadas por milhentos e um aqueduto que me deixou sem palavras. A Catedral é qualquer coisa de maravilha e encontrei o António Machado, o escritor com nome português, mas com alma espanhola.

20180701_175004.jpg

 

Aqueduto Romano de Segóvia

20180701_170312.jpg

 

Catedral de Segóvia e Praça

 

Foram dois dias de caminhadas que não cansaram, de vistas de obras desconhecidas de companheirismo e de deslumbramento, porque por mais fotos que vejas, nada nunca supera o original.

27
Jun18

Há dias assim

m.

"Horóscopo

21 de Jan a 19 de Fev

Quarta, 27 de Junho

Para ultrapassar esse seu estado de espírito inquieto, medite, leia um bom livro de Astrologia ou procure algo que desenvolva o seu mundo interior." aqui

 

Quando até o Sapo te recomenda LER UM BOM LIVRO (a parte da Astrologia é subjectiva).

Tu deves  fazê-lo. Pára de trabalhar e vai LER, tens mais proveito.

 

20
Jun18

Apelo aos srs Emigrantes

m.

Senhores, por favor, nós sabemos que vocês lá no País que vos acolhe, passam dificuldades, são mal pagos, mal reconsiderados, e mal vistos.

Quando chegam cá é igual, nós também vos vemos como maus, porquê? Perguntam vocês, não sabem?

Olhem que não é difícil, mas eu elucido-vos.

- Dizem que está tudo caro; (Nós como o sofremos na pele, nem nos queixamos, ou melhor queixamos, mas tentamos fazer melhor com as críticas);

-Dizem que lá no estrangeiro é que as coisas funcionam, aqui é tudo atrasado e nada funciona; (Nós que estamos cá aprendemos a desenrascar-nos, se não temos pensos, usamos ligaduras);

-Dizem mal das pessoas das aldeias, aquelas que vos acolhem de braços abertos, como coração aos pulos de felicidade; (Apesar de tudo sentimos saudades vossas, mesmo quando não o merecem);

-Arrependem-se de vir para cá; (O Mundo é o limite, e nós vamos ao Mundo e voltamos); 

-Se soubessem que era assim não vinham, esta é no seguimento do anterior, não venham, queixam-se que deixam cá o dinheiro, e nós só somos bons quando o Toni canta e é quando a festarola é de borla; (Nós vivemos o resto do ano sem o vosso dinheiro, não comemos nem bebemos só em Agosto);

 

A sério este género de discurso, em voz megafone, deixa-me com os nervos, ferve-me tudo e só me apetece responder, dizer aqueles senhores que vem armados em bons, que são os maiores que trazem carros xpto, alugados, emprestados (sei do que falo), roupas último modelo lá da boutique da esquina, que andam o ano inteiro a rapar miséria só para se exibirem, tenham vergonha e não falem do que não sabem, não cuspam no País de onde não conseguiram governar a vida, porque nós os que cá moramos aguentamos estoicamente o ano todo para vos receber, e não precisamos de nos exibir, nós somos mesmo assim, humildes e orgulhosos da nossa Terra.

 

13
Jun18

Conversas de café /Conversas de saudade

m.

Há dias que o acto de ir beber um café nos provoca lágrimas, hoje foram de saudade, por quem já perdemos e as formas que arranjamos de mitigar a dor, porque acabar com ela, só mesmo quando morrermos ou perdermos  o conhecimento.

Não sendo psicóloga nem tendo ajudas de especialistas, refugio-me na música, sim eu fui a um concerto duas semanas depois da minha mãe ter falecido, senti-me mal, não, senti-me acompanhada e desfrutei das músicas e de toda a envolvência, não acho que desrespeitei  a sua memória, pelo contrário, festeira e "bonequeira" como ela era, também ela tinha gostado.

Outra forma, de aliviar a dor e a saudade, foi escrever, nós falávamos todos os dias, durante muitos minutos, e quando te falta essa rotina, fica um vazio, pegas no telefone e ninguém te vai responder do outro lado, mas podes escrever, assim tens sempre a esperança que a pessoa leia, um género de diário ou melhor em forma de cartas a tua mãe. Ajudou-me imenso e foi isso que disse a outra pessoa, é para mim uma forma de manter as nossas conversas vivas e actuais, ninguém além de nós as duas sabia isso, agora mais alguém sabe e pode ajudar outros a superar o insuperável.