Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

a herança do vazio

Blogue de pensamentos, acontecimentos, experiências, viagens e coisas minhas.

a herança do vazio

Blogue de pensamentos, acontecimentos, experiências, viagens e coisas minhas.

22
Set20

Outono...a minha favorita.

m.

Adoro o Outono, não sei se me estou a repetir, mas é só para me afastar das notícias menos boas, e celebrar a minha estação do ano favorita,  as cores do Outono, são as mais bonitas, atenção que também gosto da Primavera, mas como sofro com as alergias, fica em primeiro nos gostos e preferências, o Outono...mantas, chá, aconchego do lar,  lareira, o cheiro a fumo, as galochas aqueles casacos especiais, e as poças de água, as cores tão diversas (parecem-me pinturas) e que me deixam deslumbrada e maravilhada a olhar extasiada para as árvores. Quisera eu ser artista, para poder transmitir a beleza que as fotos não conseguem. 

08
Set20

A volta do Coronavírus

m.

Vamos preparando-nos porque ele vai voltar, o Coronavírus, esse ser minúsculo, que nos tira tanto e conseguiu um feito extraordinariamente triste, entra sorrateiro e manhoso e ataca sem dó nem piedade, nações inteiras, continentes e o Mundo.

Por onde passa deixa um rasto de tristeza, luto e tragédia.  E quando pensamos que está a abrandar, ei-lo de volta e  em força, na realidade nunca saiu de cá, ficou mais camuflado,  como um traidor, adaptou-se e soube comportar-se também no pico do Verão, não nos deixando descansar nem esquece-lo. 

Agora com a vinda a poucos dias do Outono, precisamos de redobrar cuidados, nunca descurar a nossa e a segurança dos outros, as máscaras não são para não nos infectarmos, são para não infectar o outro. A lavagem das mãos é uma medida de higiene muito importante, porque as nossas mãos estão em todo e por todo o lado e nunca são demais. Quando não é possível, o desinfectante é o melhor.

Às vezes penso, mas e qual é o problema se apanhar o vírus? O problema é que não sabes como o teu organismo se vai comportar perante este desconhecido, e as consequências que podem vir daí.  Porque isto não é uma simples gripe ou constipação. É grave, muito grave. 

No entanto, penso que é uma questão de tempo até nós sermos todos infectados por ele. E é assustador o que desconhecemos. 

Eu acredito que Vamos Todos Ficar Bem, mas antes disso, Vamos Passar um Bocado Mal. 

08
Set20

Setembro...2020

m.

Este é o mês da viragem, quase que acabou o Verão, e estamos prestes a entrar no Outono, o mês de recomeços, mas é também o mês da festa da nossa aldeia, e a tristeza que sinto por este ano, não haver nada, só um sentimento de domingo vazio, sem a família, sem a comida a montes, que dura para lá de uma semana (os restos da festa), os familiares e amigos que nos visitam sempre e só nesta altura do ano,  os amigos, conhecidos, que sempre  aproveitamos estes dias para colocar a conversa em dia, ir ao bailarico, dançar ao som de músicas que só ouves nesta altura do ano, e adoras,  apreciar os bons petiscos,  relembrar as emoções quando vem a Banda, a alvorada de noite com os sinos a repenicar e a chuva de foguetes que nos levam a todos às ruas a celebrar, aquele arrepio de emoção e orgulho de ver e acompanhar a procissão, palmilhar as ruas da aldeia ao compasso e depois entregar a bandeira aos festeiros do ano seguinte, oh tempos tristes e estranhos que nos privam das coisas boas da vida. 

 

17
Ago20

Caminhando

m.

As saudades que já tinha de caminhar, pela natureza, mesmo dando uma "pirueta", assim lhe chamaram, (para mim foi uma queda gigante, felizmente sem graves consequências, menos mal),  qual acrobata de circo, mas há que continuar, que desistir é para os fracos, fiz mais devagar, mas encontrei o ritmo pós queda, hoje sinto-me  mole, dorida mas o que me apetece,  é voltar a esta caminhada, cansativa, mas que me me trouxe, tanta paz e calma, estava mesmo a precisar. 

Caminhar dá mesmo saúde. 

02
Ago20

Agosto agri-doce

m.

Para mim o dia 1 de Agosto,  é um dia, com um misto de emoções contraditórias. Há  anos atrás perdi o meu avô materno neste dia. Mas também foi o dia que recebemos a notícia que a família tinha aumentado. 

Por isso sempre que lhe dou os parabéns, e às vezes a comer aquela fatia de bolo,  dou por mim a pensar com muito carinho e saudade  no meu avô, que foi só o melhor avô que eu tive. Lembro-me das idas à casa dele, noutra aldeia, íamos de autocarro e ele dava-nos sempre um lanche daqueles que terminavam com um gelado à espera do autocarro ou camineta da carreira, como se dizia naquele tempo, embora eu adorasse o gelado epá, tinha de comer sempre o perna de pau, ou o super maxi, que lá em casa não se mastigavam pastilhas (passo a publicidade a esta marca de gelados). 

As visitas dele, sem a respectiva esposa (naquela altura eu não percebia porque é que a senhora não ia lá a casa, hoje já percebo), eram sempre aguardadas com uma alta expectativa (aqueles rebuçados ou chupas ou as bengalas), era sempre uma animação quando ele aparecia, no quintal, a chamar pela minha mãe e depois a fazer-me aqueles carinhos que só os avós sabem....e ele era tão querido naquele chapéuzinho e com a sua bengala e o seu bigode, era a única pessoa da família que o usava, agora um ou outro tio, também, mas na minha infância o dele era único.

Quando adoeceu, foi uma verdadeira tragédia, que demorou, na altura só me deixaram vê-lo enquanto esteve consciente, depois a demência tomou conta dele, e eu fugia com o meu irmão para o vermos ao longe e sem a minha mãe ver, e curiosamente ele sempre nos reconheceu e sempre tinha uma palavra para connosco. 

Quando morreu, a 1 de Agosto, e recebemos o telefonema, ele estava no hospital e apesar de ter e ser uma criança, lembro-me dos choros dos filhos e irmãos , e de nós os netos andarmos a passear pelo cemitério e a ver as campas, e as flores, fazia um calor horrível, e do funeral só me lembro disso, do bem que nós as crianças passamos quando os adultos estavam a fazer a sua despedida. 

31
Jul20

Festejar as despedidas

m.

O fim de um ciclo, uma etapa, devemos festejar, pelo motivo de estarmos vivos, de saúde, sermos amigos e camaradas de trabalho, com um sentimento de entreajuda. Quando alguém sai, é sempre altura de desejar  boa sorte, que continua a fazer e desempenhar as suas funções, bem e com o mesmo empenho que teve e partilhou connosco. Por isso celebrar não com champanhe, mas com bolos e chá que nas festas e despedidas não se contam calorias (eu, pelo menos). 

A "festa" foi feita com todas as regras a serem cumpridas e o convívio resumiu-se a palavras com sentimento e sentidas. 

E não é um adeus, é só um até já....

31
Jul20

Agosto à vista....

m.

O mês das férias por excelência, e o quase final do ano, porque depois deste mês passado, é Outono, e depois Inverno e finalmente termina 2020....

Agosto para mim é sempre um mês de mudança, um depois e um antes.

Este ano é uma incógnita e um desconfiar de tudo e de todos, nada é ou será igual.

O que nos reserva o futuro, não sabemos, o presente estamos a vivê-lo com cuidados redobrados.

Este ano até nisto é "especial", as nossas férias serão diferentes e estranhas, mas não podem deixar de ser dentro de tudo as nossas férias em tempos de COVID-19, e só por isso infelizmente, serão sempre diferentes. 

22
Jul20

Estes tempos nossos... o reencontro dos vizinhos

m.

Em resumo, saímos do estado de emergência, e entramos no estado de desconfinamento, ou confusão, ou há tanto tempo que não vos via.

Um dia destes à entrada encontrei a vizinha do 4º andar, e o nosso reencontro, com o distanciamento social devido e tal,  foi como se tivesse visto a minha pessoa favorita do mundo, que sensação tão boa e feliz, encontramos pessoas que já não víamos há meses....Quanto ao vizinho do lado, bom, não o vejo, mas sinto, mais do que vejo as sapatilhas, de andar por fora, que ficam em quarentena, até que alguém lhes limpe as solas....por acaso uma manhã destas encontrei-o à saída do elevador, com as mesmas calçadas...estava com receio do que teria acontecido às sapatilhas. 

Por outro lado, acho que estamos todos um bocadinho, esquecidos, stressados e "apanhados do clima", não sabemos muito bem como reagir e interagir com as pessoas. Passamos por alguém e afastamo-nos, não nos olhamos directamente, desviamos o olhar, fugimos de passeio se vemos ajuntamentos. 

 

29
Jun20

Depois das férias.....tu queres é festa.

m.

....Queremos mais férias, isto é quase senso comum, e realidade, como aquela segunda feira chata, em que o fim de semana foi tão bom, mas passou tão rápido. Entre casa, e caminhadas, leituras, companhias e festas, pouco frequentadas, e divididas por dois dias, que ainda estamos em perigo todos, com a devida distância e segurança sopraram-se as velas em forma de leque sevilhano, porque soprar para os bolos foi proibido, e o que nos divertimos com o abanico.

Entre receios e cuidados, muitas brincadeiras e cantorias....Valha-nos o "santo Youtube".

 

03
Mai20

Dia da Mãe

m.

Desde há 7 anos, passou a ser o dia mais triste do ano.

Foi a última vez que a vi com vida, e ainda recordo aquele aceno, porque sei que sabias que era o último.  

Já tínhamos falado, e sabíamos que era uma questão de tempo, e,  tu já estavas cansada de lutar contra o inevitável, e nós de te vermos sofrer, porque sempre foste a mais forte e corajosa a mais alegre e quando soubestes da gravidade e juntas decidimos não dizer a ninguém, nem aos rapazes, eles são são assim tão corajosos (brincadeira, claro que são fortes, já foram à guerra), são, mas iam ficar tristes e assim ainda tiveram 5 meses de aparente normalidade, não foi fácil respeitar o segredo, mas era mais do que necessário. 

Quando partistes naquela quinta à tarde, (okay os outros acham que foi sábado), mas na quinta vieste dizer-me adeus, e eu quando passo naquele ponto da auto estrada, sei que foi ali, naquele quilómetro naquele entardecer que partiste. E eu despedi-me de ti, porque sei que tu não querias ir, mas a tua dor era tão grande, que não queria ser egoísta e foi um alivio ver terminar o sofrimento de 5 meses, e deixei-te ir e paz. 

A tristeza não passa nem passado 7 anos, mas é uma dor de saudade e "quente" sinto-a como uma carícia e um carinho, e sempre vou recordar-te seja em que dia for, porque para mim o Dia da Mãe, são todos os dias...

29
Abr20

A semana da esperança....

m.

...estamos no fim de Abril, e Maio ao virar da esquina, há boas perspectivas no horizonte ao que à Pandemia diz respeito, mas o que não podemos é entrar em celebrações exageradas e não deixar de nos protegermos, e de proteger os outros, porque isto ainda não terminou, e a cautela e a prevenção vão ter de  continuar a fazer parte das nossas vidas.

E agora mais do que nunca temos de redobrar os  cuidados,  para podermos ir  pouco a pouco,  voltando ao "normal" , com o nosso normal de antes do Covid-19 a ter de ser diferente até podermos respirar de alivia com a futura vacina.

O que estes tempos me ensinaram é que o Homem pode e vai ser eliminado por seres "inferiores" mas ao mesmo tempo seus superiores, como num filme de ficção, sendo a ficção a nossa realidade.

E é mesmo isso que somos pequeninos e perante um inimigo comum unimos esforços e ajudamos-nos uns aos outros. 

21
Abr20

25 de Abril de 2020

m.

Uma data histórica, e se me perguntarem onde estava, acho que algures a crescer no ventre da minha mãe...

Agora a sério, o Abril também nos deu esta liberdade a de nos expressarmos, opinarmos, sermos claros e objectivos pensadores.

E tal como eu e muitos portugueses, não celebrar a data, tendo em atenção os tempos que se querem de isolamento, faz todo sentido, porque apesar do espaço ser grande, há um número exagerado de pessoas, entre deputados, convidados e outros...Há que ter em atenção os esforços e sacrifícios que nos pedem e não podemos exigir dos outros aquilo que nós próprios não fazemos.

Sempre ouvi e, que o exemplo vem de cima, mas desta vez neste Abril de 2020, acho que o exemplo vem do baixo, do povo, que mais uma vez cumpre e revolta-se na sua liberdade  ficando em casa. 

Por Abril, pela minha e pela tua liberdade, Fica em Casa. 

17
Abr20

Aguenta coração....

m.

Só mais um bocadinho...

As saudades.

Os abraços.

Os beijos.

As brincadeiras.

A alegria.

A companhia.

A familia....

Porque no fim, quando tudo terminar vamos  matar saudades com abraços bem fortes, com lágrimas de alegria e esperança, beijos daqueles "repenicados" aos montes. 

Por ti, por eles, por todos vamos só ficar mais um bocadinho em casa e isolados para no fim festejarmos, não com foguetes, mas com risos, alegria, e com a junção e reunião de todos os que agora temos mesmo de estar longe...

16
Abr20

Destaque....

m.

Obrigado pelo destaque..

....sinto-me sempre importante e é um incentivo para continuar. 

 

Obrigado equipa Sapo.

 

 

E Já sabem pelo bem de todos nós Fiquem em casa. 

 

 

14
Abr20

Limpemos

m.

E em mês de Primavera, isolamento/quarentena voluntária, nada melhor para ocupar e passar o tempo, do que fazer as "limpezas de primavera", há pois é, nestes cinco dias de férias/tolerância/Páscoa passadas em casa, nada melhor do que entrar profundamente dentro dos armários, gavetas, e limpar deitar fora aquilo que achamos que nos faz falta...e descobrir tesouros há muito esquecidos. 

O cansaço é um cansaço produtivo e sabe tão bem. 

 

04
Abr20

Estamos isolados mas resistiremos

m.

Bom dia 

 

Escrevo desde este meu auto isolamento voluntário.  

Este bicharoco está a dar connosco em nervosos no serviço e eu só descanso quando me desligo das roupas e das coisas que trago da rua e me visto limpinha e desinfectadinha. 

Tem de ser porque ele é resistente,  mas nós somos mais resistentes e valentes, juntos vamos conseguir e vencer. 

Todos juntos e em casa vencemos o Corona e a Covid -19.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar