Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

a herança do vazio

a herança do vazio

29
Mai17

Coimbra - Uma viagem relâmpago

m.

Não foi propriamente em passeio, mas entre reuniões e comissões e palestras consegui tirar umas horitas para ver, ou melhor rever, algumas das maravilhas de Coimbra.

O dia começou cedíssimo, ou não more a muitos kms, chegar a horas e com tempo é sempre o meu lema, e prefiro eu esperar que os outros, e mais uma vez foi o que aconteceu 15 minutos antes da hora marcada.

Cumprimentos, palavras de circunstância e até á hora de almoço, foi uma correria de trabalho, depois do almoço e aproveitando uns minutinhos, ainda consegui ir beber um cafezinho num café que tinha visto pelo caminho, e que me parecia simpático, posso constatar, que não me enganei.

Terminado o intervalo, retomar dos trabalhos até cerca das 17, e finalmente terminamos, depois de uma longa viagem, tantas horas sentada só pedia mesmo caminhada. Depois de deixar as coisas no hotel, uma rápida muda de roupa e calçado e eis-me de mapa na mão, depois de excelentes dicas do rececionista, calcorreando as antigas e estreitas ruas de Coimbra, rumo em direcção ao Largo da Portagem, um largo, onde já passei muitas vezes, mas desta vez e com tempo pude saborear um pastel de Tentúgal e um café, embora estivesse nublado estava quente, senão mesmo abafado, mas claro perto do rio corre sempre uma aragem que soube muito bem, depois e já lá passando de carro e autocarro, o gosto de passar a pé a Ponte de Stª Clara é sempre muito melhor, e foi uma experiência repartida com nuestros hermanos, porque e ai deu para sorrir e hablar un pouquito, fomos ver o Mosteiro de Stª Clara a Velha, um edifício Gótico medianamente conservado, que têm um vitral espetacular.

Depois de um breve passeio á beira rio, no Parque ou Praça da Canção, conhecida pela sua actividade cultural/estudantil, pode-se ainda assim desfrutar das vistas para a cidade e para os seus prédios, igrejas, monumentos, pontes e parques, e só este pequeno passeio em comunhão com a natureza serviu para esquecer as horas fechada entre quatro paredes .

De volta à cidade, e como as horas estão contadas, ainda consigo passear e apreciar a beleza das ruas, e casas, das suas vitrines,  sentir o cheiro a cidade pulsante e cheia de vida e ouvir a tuna Académica.

Com o jantar aproximando-se perdi-me nas suas tabernas petiscando e ouvindo o bom velho Fado de Coimbra.

Apesar de serem apenas horas, foi bom rever e voltar a percorrer as ruas de Coimbra, e a sugestão que faço a mim mesma, é na próxima deixar os compromissos em casa e ir só em Turismo, a cidade merece.